[HQ] Pátria Armada

hq-patria-armada-destaque

Brasil em guerra + mutantes: O que você esperaria de uma história desse tipo? 

Guerra em território nacional? Prepare-se, pois isso é só o começo de mais uma produção brasileira, que recebeu o nome de Pátria Armada.

Imagem

Pátria Armada é um projeto do quadrinista brasileiro Klebs Junior, que já publicou para DC Comics e Marvel. Com grandes trabalhos para fora, o autor tinha como maior desejo publicar algo voltado ao público do Brasil e é aí que nasceu o projeto.

Inicialmente, Klebs Junior lançou a ideia no Catarse para financiamento, onde conseguiu bater a primeira meta para publicação da edição número 1 do quadrinho (ao todo, serão 3 edições). Para quem se interessar pela obra, Pátria Armada já pode ser encontrada em bancas e algumas lojas virtuais. E, claro, nós já temos a história em mãos para contar um pouco do início dessa saga e, quem sabe, dar uma mãozinha para o financiamento dos próximos dois títulos. Afinal, para que possam chegar às bancas e lojas as outras edições, é necessário atingir a 2ª meta no Catarse.

Pátria Armada se passa em 1994. O Brasil vive uma guerra civil de 30 anos, que se arrastou desde o golpe de 1964, e o País se afunda em um conflito de Federalistas vs Legalistas, com direito a bomba química no centrão de São Paulo. A guerra gera muitas mortes e também doenças genéticas, que consequentemente geram filhos com alterações. Uma dessas crianças foi Cristina, que devido à mutação é obrigada a entrar no exército para lutar na guerra.

Imagem (2)

Klebs Junior acertou muito bem a mão ao “criar” os cenários do Brasil. A Avenida Paulista, por exemplo, de cara já vira palco da guerra, além do CTA (Centro Técnico Aeroespacial), em São José dos Campos, onde Cristina é mandada para treinamento junto com outros afetados pela bomba química.

Uma coisa interessante é que os mutantes não têm conhecimento dos seus poderes. E, por isso, o fato acaba sendo um assunto pouco falado entre os generais que utilizam os jovens como novos lutadores nessa guerra civil.

Imagem (3)

A primeira edição já dá uma noção bem rica do que vem por aí. E, se você gosta de histórias como essa ou tem curiosidade, é recomendadíssimo. Mas não se esqueça que, para saírem as próximas edições, precisa de mais contribuições no Catarse, para que se atinja a próxima meta.

Se você quer ter um personagem brasileiro para se orgulhar, fica a sugestão de Pátria Amada. A primeira edição está incrível! <3

Quem escreve? Grazi

Cristã aspirante a cientista da computação, um dia ainda será a Root na companhia do Harold Finch e do John Reese. Fã de Green Day, sempre mantêm bons álbuns de punk californiano em seu player e desbrava universos ouvindo metal folk. Aprecia quadrinhos e boa leitura, sempre se vê presa a realidades alternativas sem precisar encher a cara.