Atriz Kelly Marie Tran se posiciona contra trolls de Star Wars

kelly marie tran

Maravilhosa!

Pela primeira vez desde o lançamento de Star Wars: Os Últimos Jedi, a atriz Kelly Marie Tran, que deixou o twitter devido aos ataques e assédio constante recebidos por parte dos trolls de Star Wars, falou sobre o assunto e compartilhou o que os bullies causaram a ela.

Bullying é um problema enorme nas redes sociais hoje em dia, porque é muito fácil atacar os outros escondido por trás de uma tela. E o triste é que muita gente é afetada por isso, e infelizmente, a situação tem piorado em vez de melhorar.

Em entrevista concedida ao The New York Times, a atriz falou sobre a “espiral de ódio próprio” causada pelo assédio sofrido:

As palavras deles pareciam confirmar o que crescer sendo uma mulher e uma pessoa de cor já havia me ensinado: que eu pertencia ao espaço marginalizado, que só poderia ser uma personagem menor em minha vida e história. Suas palavras reforçaram uma narrativa que eu ouvi em toda minha vida: que eu era a outra, que eu não pertencia, que eu não era boa o bastante, simplesmente por não ser como eles.

Ela continuou afirmando que não conseguia afastar as coisas que as pessoas estavam dizendo e que a levaram a lugares obscuros dentro de sua mente.

Por meses, eu mergulhei em uma espiral de ódio próprio, nos cantos mais escuros da minha mente, lugares onde me destruí, onde colocava as suas palavras acima da minha própria autoestima.

Provavelmente, qualquer pessoa que já tenha sofrido bullying consegue se identificar com isso. Muitos de nós sabemos que por vezes em nossas vidas, nos sentimos apequenados e derrotados pelas palavras de outras pessoas. Mas ela conseguiu superar isso e encontrar forças para se levantar e seguir em frente. E as suas palavras durante a entrevista são inspiradoras e devem ser repetidas aqui:

Eu quero viver em um mundo onde as crianças de outras etnias não tenham de passar toda sua adolescência desejando ser brancas. Eu quero viver em um mundo onde as mulheres não sejam submetidas ao escrutínio por sua aparência, suas ações ou existência. Eu quero viver em um mundo onde as pessoas de todas as raças, religiões, classes sociais, orientações e identidades sexuais e habilidades possam ser vistas pelo que realmente são: seres humanos.

Que a força esteja com você, Tran!


Fontes: GeekTyrant | NYTimes

Quem escreve? Liao

Débora é musicista, pesquisadora e otaku (não fedida, prometo). 1/3 gamer, 100% sonserina. A alcunha de Liao veio de um site aleatório de geração de nomes japoneses (Liao é chinês, mas tudo bem).