10 personagens secundários tão bons quanto os protagonistas!

Charlie, rainha de tudo e todos em Supernatural


Charlie de ‘Supernatural‘ não é a capa dessa matéria a toa. Ela é a inspiração para essa matéria! Por quê? Vou explicar!

É claro! Os protagonistas fazem uma série, como um bom roteiro, direção, trilha sonora, etc. Só que, às vezes, os produtores não esperam que um detalhezinho se destaque mais na série produzida do que o enredo e elenco. Quantas séries ganham destaque por sua fotografia, trilha sonora, um casal em particular, e os seus personagens secundários tão atraentes quanto os seus protagonistas? Pensou em alguns, não é mesmo? Bom, eu também pensei e fiz aqui a listinha com os 10 personagens secundários tão maravilhosos quanto chocolate, doritos, skittles e tudo que há de bom no mundo!

1 – Brooke Davis, em One Tree Hill

Já comecei trabalhada na Nostalgia. A finada ‘Lances da Vida’ teve dezenas de personagens marcantes (Lucas, Peyton, Julian, Nathan, Haley, Jaime,…) ao longo dos seus nove anos de existência, mas ninguém e repito com total sanidade: NINGUÉM supera o impacto de Brooke no público. A personagem entrou no terceiro episódio da primeira temporada como a rica, mimada e egocêntrica Brooke Davis e no último episódio, Brooke era a esposa de Julian, mãe de dois filhos, bem sucedida em sua profissão, com a família dos seus sonhos e a independência do seu caráter. Entre amores e sonhos, Brooke conquistou o público com o seu bom humor, charme e bom coração. O carisma de Sophia Bush também foi um importante fator para destacar a personagem, que até hoje, é lembrada com enorme carinho pelos fãs.

2 – Mike Hannigan, Friends

Ao longo de dez anos de série, Friends agregou uma boa parcela de personagens secundários. Gunther, um personagem secundário bem presente, ao ponto de ser chamado pelo fandom de ‘sétimo friend’ é um desses personagens secundários que atraiu e encantou o público pelo seu lado único – e amor secreto pela Rachel. Por que então, eu escolhi Mike? Mike chegou na série no finalzinho. Joey o conheceu por acaso e o uniu a Phoebe, num encontro às cegas bem tipico do Tribianni. E Mike conquistou o seu lugar não apenas entre os amigos de Buffay, como em seu coração. O público ficou dividido: uma parte não acreditava que o personagem de Paul Rudd tinha muito a agregar a série, outra parte amou como ele era doce, engraçado e infantil na dose certa para completar a nossa Phoebe. No final da série, como Gunther, os fãs de Mike começaram a carinhosamente a chamá-lo de o sétimo Friend também.

 

3 – Sara Lance, Arrow/DC’s Legends of Tomorrow

Outra que é dona de tudo e todos. Não consigo assistir Arrow. Não gostei, não fechou comigo, sabe? No entanto, Sara é maravilhosa. Impossível não se apaixonar pela Canário Negro (e agora Canário Branco) com seu passado misterioso, treinamento com a liga dos assassinos e o ímpeto de Lance se destaca entre os personagens, não tão bem desenvolvidos e meio pombo da série do Arqueiro. Como Sophia Bush, o carisma de Caity Lotz e o seu carinho pelos fãs e personagem atraíram e encantaram o público rapidamente. A personagem ganhou um ótimo destaque e desenvolvimento em Arrow, ao ponto dos produtores colocarem as mãos a obra e tirarem do papel ‘DC’s Legends of Tomorrow’. A série que é meio que um Avengers com pitada de Doctor Who para a televisão, um grupo de heróis se une para proteger o mundo do vilão Savage. Sara tem um importante papel na série e se o publico continuar com tamanho animo com sua personagem, ela só tem a crescer.

4 – Dustin, Stranger Things

 

Se o Garotas Geeks tivesse um prêmio de personagem fofura desse ano, Dustin ganharia fácil. E veja bem, Gaten Matarazzo arrasou como o inteligente e simpático Dustin, sua fofura foi um a mais em seu charme. E numa série recheada de personagens estelares (Eleven, Mike, Lucas, Jonathan, Nancy, Barbs, posso continuar, viu?), ele conseguiu destaque justamente pela sua simpatia, a leveza da sua presença, o seu carinho com Mike e Eleven e olha esse sorrisinho… Não é a criancinha mais pura e amor amor que você já viu em sua vida?

5 – Carlton, Um maluco no pedaço

Nós sabemos que ‘Um Maluco no Pedaço’ foi uma das melhores séries de comédias dos anos 90 (quisá a melhor), especialmente pelo enredo, por abordar temas polêmicos (como o racismo escondido nas pequenas ações) e a ótima interpretação de Will Smith, mas o público brasileiro tem um carinho especial pela ingenuidade e empolgação de Carlton. Taquem a primeira pedra aqui quem nunca dançou como o primo do Will, hein?

6 – Titus Andromedon, Unbreakable Kimmy Schimidt

Não é uma surpresa afirmar que Unbreakable Kimmy é hilário. Sua protagonista é uma fofura de pessoa, mas Titus tem aquele Q, sabe? Ele consegue roubar a atenção de qualquer um com as suas expressões, pequenas ações e piadas no timing certo. É o tipo de personagem que facilmente ganha um spin off, por conter tudo o que é necessário para arrasar como protagonista! No final da série me peguei com o sentimento: Será que terei um Titus em minha vida ou quem sabe, eu seja o meu próprio Titus? Eu queria ser tão sortuda assim!

7 – Sheldon, The Big Bang Theory

Agora é uma escolha polêmica. Por quê? Nas primeiras temporadas, Sheldon ganhou destaque pelo seu sarcasmo, o seu lado nerd pesado e anti sociabilidade claríssima como a luz do dia. O seu Bazinga virou catchphrase e a série bombo – e muito! Não é difícil para ele colocar Leonard e companhia no chinelo.  Sheldon tem potencial e ele sabe disso. Só que… O publico não foi o único que percebeu isso. Os roteiristas também e resolveram, em cada nova temporada, aumentar a participação de Sheldon ao ponto de saturar o personagem. Na minha opinião, o menos é mais e tamanha exposição cansou um pouco o personagem, pelo menos, aos meus olhos. Na realidade, cansou a série no geral, mas isso é assunto para outra matéria.

8 – Jack e Karen, Will & Grace

Olha a nostalgia aí de novo! Se Um Maluco no Pedaço foi uma das melhores séries de comedia dos Anos 90, Will e Grace é um dos seus fortes concorrentes para o TOP 3 – fácil fácil. A série narra o dia a dia dos amigos do titulo e eles tem amizade com a dupla bem excêntrica, Jack e Karen. E aqui, destaco que tanto Will quanto Grace eram incríveis: sozinhos, em dupla, aprontando, com seus pares românticos, mas quando Jack e Karen ganhavam destaque ou apareciam em cena, por alguns segundos, era difícil não ser sugada pela química do casal, sem contar com o ótimo timing da dupla de atores. Só de pensar neles, me veem as caras e bocas de Jack em minha mente e a voz particularmente irritante de Karen. Saudades dessa série. Alô alô alô! Netflix, escuta eu e coloca Will & Grace no catalogo! Um beijão!

(Repassem esse pedido até alcançarmos a paz mundial!)

9 – Foggy, Daredevil


Fogginho! Matt Murdock é um amorzinho de pessoa (mesmo tendo caído muito no meu conceito nessa segunda temporada beeeem decepcionante de Daredevil), e Foggy Nelson não fica para trás. Na real, ele merece mais, sabia? Foggy é um ótimo personagem, mas não sinto que ele é valorizado na série, como deveria. Na primeira temporada ele teve um bom destaque, mas nessa segunda, ele ficou bem apagado, quase esquecido pelos roteiristas. Ele, de longe, é o amigo que todo mundo gostaria de ter (e tem) sempre aconselhando, dando bronquinha quando necessário, cuidando, é um ótimo profissional, está ainda amadurecendo e ainda mostra maestria em idiomas, né, avocado?

10 – Fish Mooney, Gotham

Gotham me levou do céu ao inferno – e agora estou no limbo. É uma série boa, mas cansa, cansa muito por não ter um tom, por ser incerto, por ter mais de vinte episódios, por ser instável em seu enredo. Do elenco,  Robin Lord Taylor é brilhante como Pinguim e Cameron Monaghan (Meu xuxu precioso!) é o melhor Coringa da atualidade e merece muito mais também (TRETA INSERIDA AQUI) e fiquei tentada a escolher entre eles, só que Fish Mooney, interpretada pela excelente Jada Pinkett Smith surgiu em minha mente e o que seria dessa série sem essa Deusa? A personagem que, inicialmente, não existe no Universo dos Quadrinhos da DC foi criada para ser um dos patamares para o crescimento de Pinguim como vilão da série, só que os roteiristas não esperavam que a personagem fosse ganhar o público e se tornar facilmente uma das queridinhas. E não é para menos, Jada está incrível no papel. Ela serviu em seu propósito na primeira temporada, teve um fim bem a quem, mas teria ela, ainda, um futuro na série? Sem spoilers, mas talvez.

Podemos esperar tudo dos nossos secundários.

Quem escreve? Barbara Herdy

Escritora, blogueira, tradutora, moody, hobbit, caçadora de relíquias, 1840's Kid, gamer, hipster, Rainha perdida e Jane Austen me entenderia, mates.