Mais novidades de Thedas!

Esta semana, a Game Informer lançou uma matéria de doze páginas sobre Dragon Age: The Veilguard. Muito do que foi dito nós já vimos pelos vídeos e outras entrevistas, mas algumas informações são novas. A matéria confirmou e negou certas teorias que levantei nos textos anteriores.

Atenção: a Game Informer falou sobre pontos importantes do prólogo do jogo. Apesar de serem informações divulgadas oficialmente, alguns podem considerar como spoilers, então cuidado.

Por que a mudança de nome?

Até pouco tempo atrás, o quarto jogo da franquia era Dragon Age: Dreadwolf, e não Dragon Age: The Veilguard. A mudança fez muitas pessoas se perguntarem sobre a participação de Solas nesse próximo jogo, mas na matéria, foi esclarecido que ele continuará tendo um papel importante na história. O que levou à mudança de nome foi como a história de desenvolveu ao redor de Veilguard.

Dragon Age: Dreadwolf dava a entender que o foco principal da história seria  Solas, possivelmente como vilão a ser derrotado, o que já sabemos que não necessariamente é o caso. Nesta matéria da Game Informer, fica claro que Solas até poderá ocupar um papel mais antagonista dependendo das nossas escolhas, mas talvez não. Cadê os fãs do arco de redenção? (Eu, eu sou os fãs).

Dragon Age: The Veilguard, assim como o Dragon Age: Inquisition, traz o foco para o grupo de personagens. Os desenvolvedores da Bioware estão batendo na tecla que essa é uma história sobre um grupo de pessoas e suas relações, então faz todo o sentido que o título mostre essa direção.

Rook não é um escolhido

Nós já sabemos que Rook vai poder ser customizado de várias maneiras. Tamanho do corpo, tom de pele, altura, raça, pronomes, gênero… Algumas dessas escolhas vão definir o sobrenome de Rook. Mas, além disso, ainda existem perguntas sobre quem é esse protagonista. Como Rook foi parar no meio dessa confusão, ainda mais como uma figura de liderança?

Ao contrário de Dragon Age: Origins e DA: Inquisition, Dragon Age: The Veilguard não é sobre uma história de escolhido. Pelo que entendemos, Rook é uma pessoa que se envolveu na situação porque queria fazer a diferença, mas estava na hora errada no lugar errado (ou certo?). O público da Bioware costuma gostar mais do estereótipo do escolhido, mas acredito ser uma pegada interessante para Veilguard. Rook pode ser qualquer pessoa que teve coragem de tentar enfrentar um deus… Ou dois. Na minha humilde opinião, essa narrativa de uma pessoa que veio do zero e precisou se virar é um dos grandes acertos do Dragon Age: 2.

Em outro texto sobre Dragon Age, falamos que “Rook não ia querer se envolver com magia de sangue” e agora entendemos o motivo. De acordo com a Game Informer, quando Rook impediu o ritual de Solas, um pouco do sangue dele acabou entrando em contato com o Fade, criando uma conexão com Rook. Só vamos entender todas as consequências disso depois que jogarmos.

Thedas nunca esteve tão bonita

Ao longo dos anos, nós viajamos por vários cantos de Thedas: Ferelden, Free Marches, Orlais… Todos esses locais são no sul, mas havia muita curiosidade do público em descobrir como era o norte de Thedas. O final do DLC Trespasser sinaliza que iremos para Tevinter, mas além disso provavelmente vamos poder conhecer Antiva, Rivain e, quem sabe, até Nevarra.

Em Dragon Age: Inquisition, Dorian sempre falou como o sul parecia sem graça perto do que ele conhecia e agora dá para entender. Como uma nação reinada por magia, Tevinter possui tecnologias que outros lugares não conhecem. Além disso, por todas as fotos e vídeos vistos até agora, o ambiente sombrio, com cores pontuais, dá o ar de fantasia sombria que os fãs amam.

De acordo com John Epler, esses cenários incríveis também mostram como Dragon Age: The Veilguard é o primeiro RPG da Bioware que a equipe está a vontade em usar a Frostbite. Além disso, a Game Informer conseguiu jogar uma boa parte do jogo em Minrathous (capital de Tevinter) e afirma que, mesmo não sendo um mundo de jogo aberto, a cidade é povoada por inúmeros PNJs e espaços para serem explorados (pelo menos até demônios e cultistas começarem a atacar).

Deuses élficos à solta

Cuidado com spoilers a seguir!

Em um dos textos de Dragon Age, um dos meus palpites era que os deuses élficos soltos durante o vídeo de gameplay eram Elgar’nan e Ghilan’nain. A Game Informer confirma que são eles mesmos. A ameaça óbvia é que temos dois evanuris poderosíssimos andando livres por aí. Não sabemos exatamente como eles vão agir, mas sabemos que na época da glória de Arlathan, eles escravizaram boa parte dos elfos.

Além do próprio Fen’Harel, nós já tínhamos visto Mythal em Dragon Age: Inquisition, que andava pelo mundo como Flemeth. Mas quem são esses outros dois?

O panteão élfico é formado por nove deuses. O líder do panteão é Elgar’nan, a figura paterna que representa sol e vingança. Muito bacana para todos nós ter o deus da vingança solto depois de séculos, mas enfim… Ele foi o primeiro evanuris a surgir e foi casado com Mythal. As lendas dizem que, por conta de sua fúria, sempre que um julgamento precisava ser feito, os elfos pediam ajuda de Mythal, não de Elgar’nan. Um dos codex indica que foram os soldados de Elgar’nan que fizeram os anões serem forçados a se refugiar no subterrâneo (lembrando que só elfos e anões são raças originárias de Thedas até onde sabemos).

Ghilan’nain é considerada a mãe das hallas. Os elfos rezam para ela quando estão perdidos e querem encontrar o caminho de casa. Ghilan’nain é colocada como a escolhida de Andruil, o que também faz com que ela seja invocada em momentos de caça. Histórias dizem que ela foi a primeira halla a existir graças à magia de Andruil e que, depois disso, ela se tornou uma deusa. Ao que tudo indica, por conta de inúmeros codex no jogo, Andruil amava Ghilan’nain. Além de poder se tornar uma hallan, Ghilan’nain também criou monstros e bestas que povoaram Elvhenan por muito tempo.

Existe uma teoria antiga no fandom que os sete evanuris presos representam os sete Blights que podem acontecer em Thedas. Já tivemos cinco Blights (o quinto é o de Dragon Age: Origins) e agora, convenientemente, dois evanuris foram libertados. Seriam esses os dois Blights que faltam? Existem alguns indícios na matéria da Game Informer que apontam muito para essa teoria estar certa.

Enquanto o artigo fala da missão depois do ritual que deu errado, uma das frases usadas é: “with Blighted elven gods roaming the world, and thanks to the Blight’s radiation-like spread, it’s a much bigger threat in Veilguard than in any Dragon Age before it” (“com deuses élficos corrompidos vagando pelo mundo, e graças à propagação semelhante à radiação da Praga (Blight), é uma ameaça muito maior em Veilguard do que em qualquer Dragon Age anterior”). Notem que usam “Blight” pelo menos duas vezes. A frase basicamente diz que com deuses élficos “blighted” estão  andando soltos por aí e, por conta de uma radiação “Blight like”, essa é a maior ameaça que tivemos em Dragon Age.

Por que usar Blight duas vezes relacionado com os deuses élficos se eles não estão conectados? Vamos lembrar que em vários momentos, desde o primeiro jogo, os personagens falam como o Blight é a maior ameaça de Thedas. E o que é pior que um Blight… Além de dois? Talvez ao mesmo tempo? Eu já acreditava na teoria dos evanuris causarem os Blights, conscientemente ou não, mas confesso que nunca tivemos tantas provas disso quanto agora.

Antes de mudar de tópico, queria pontuar também o impacto disso em Thedas, para além do físico. Elfos, e principalmente os dalish, são demonizados em vários lugares de Thedas. Politicamente e socialmente falando, se os evanuris, por muito tempo louvados como deuses, são os que causam a maior desgraça de Thedas… Como ficará a situação dos elfos quando tudo acabar?

Lighthouse

Finalmente temos informações concretas sobre a tal da Lighthouse, a nossa base do jogo! Infelizmente não é um barco como eu gostaria, mas tudo bem.

Basicamente, depois de toda a cena que vimos na gameplay, Rook e amigos vão parar na base secreta de Solas no Fade, a Lighthouse, uma torre que fica rodeada de várias ilhas flutuantes. Sim, Solas arrumou duas propriedades para gente ficar em dois jogos diferentes,  como ele arruma esses recursos todos eu não sei.

Por ter sido a casa de Solas por uns anos, o lugar todo é decorado com os afrescos que ele faz, como vimos em Dragon Age: Inquisition. Em vários teasers de Dragon Age: The Veilguard, vimos um espaço que parece muito com o que a Game Informer descreveu. Como Solas morava sozinho, a Lighthouse também reflete a solidão que ele sentiu por esses dez anos (lembrando que, em DA:I, descobrimos que o maior medo dele é morrer sozinho…).

O artigo fala sobre uma biblioteca onde a equipe se reúne, imagino que seja o local da imagem que temos de todos os personagens que foi lançada há alguns dias. Outra coisa interessante dita é que, por estar no Fade, a Lighthouse reflete as emoções do que está acontecendo ao redor e dentro dela, então provavelmente o que a gente fizer no mundo real vai afetar a Lighthouse. E, como cheguei a comentar em um dos textos anteriores, vamos nos movimentar por Thedas através dos eluvians, já que Solas tem um pessoal na Lighthouse que estará livre para Rook usar.

Acertaram no combate?

Enquanto escrevia este artigo, a Game Informer fez outro artigo falando com mais detalhes sobre o combate de Dragon Age: The Veilguard, que tem deixado muitos fãs preocupados. Ao que tudo indica, a Bioware mirou em um equilíbrio entre combate de ação em tempo real e possibilidades de pausas através da roda de combate.

Combos vão ser uma parte importante do combate, não só de um personagem, mas combinando a sinergia de todos que estão sendo usados no momento. Algumas classes terão a opção de desviar de ataques, como guerreiros e ladinos. Magos não podem desviar, mas possuem a habilidade de criar um escudo bem na hora do ataque para se proteger. O sistema de cura está mais ágil, facilitando que o jogador possa tomar poções durante o combate sem perder muito tempo. Inclusive, aparentemente, se você for um guerreiro que usa escudo, você vai poder jogar o escudo no adversário bem estilo Capitão América.

Agora nós temos oficialmente o nome de todas as especializações para cada classe, que são:

  • Guerreiro: Champion, Reaper, Slayer
  • Ladino: Duelist, Saboteur, Veil Ranger
  • Mago: Death Caller, Evoker e Spellblade

Todos os personagens que te acompanham têm um total de cinco habilidades, podendo escolher três para usar em cada combate. Para navegar pela árvore de habilidades e liberar mais opções, é preciso aumentar seu nível de relacionamento com cada um deles. No caso de Rook, a árvore de habilidades tem bem mais opções, inclusive de fazer armas e apetrechos para serem usados durante o combate.

O artigo reforça a importância de sinergia e usar as fragilidades do oponente. Se você for um jogador que não quer pensar muito na estratégia dos outros personagens, eles ainda vão atacar por conta própria.

Nossos amigos vão morrer?!

A pergunta que não quer calar desde o vídeo de gameplay: Varric vai morrer?

Durante a apresentação do vídeo, muitos fãs, eu inclusa, ficaram apavorados que Solas fosse matar Varric. Ele ataca Bianca (a besta), mas as estátuas desmoronam ao redor do ritual e não vemos mais Varric depois disso. Ele poderia ter sido pego nessa ou poderia ter conseguido escapar. A Bioware falou que o vídeo estava editado para evitar mostrar o que eles não queriam revelar ainda…

Além disso, no artigo da Game Informer, depois que o ritual dá errado e os personagens vão parar na Lighthouse, não tem nenhuma menção de Varric, só de Neve, Harding e Bellara (que aparece na missão seguinte). Existem pontos que fortalecem as duas teorias, o próprio Varric de Schrödinger.

Varric está morto: é muito possível que isso aconteça, não só pelos indícios desses teasers, mas narrativamente falando. Varric diz na gameplayRook, tome conta do time para mim”, o que pode servir de despedida. Varric é um dos personagens que trazem leveza para o jogo, matá-lo logo de começo é uma forma de definir um tom sombrio para o resto da história. Também é algo que pode ser usado contra Solas mais tarde, afinal se ele tem medo de morrer sozinho, por que continua deixando as pessoas ao seu redor morrerem? Uma morte assim logo no começo deixaria o jogador mais tenso. Se no prólogo morre logo Varric, o que mais vai acontecer que a Bioware acha que vale a pena deixar isso no começo do jogo? Quem mais vamos perder?

Varric não está morto: são tantos indícios óbvios que Varric vai morrer que eu não duvido ser proposital, uma forma de nos deixar tensos até o jogo em si, em que descobrimos que ele está vivo. Se a questão é, mecanicamente, impedir que ele seja parte da equipe, destruir a Bianca já resolve. E por que destruir a Bianca se ele vai morrer logo em seguida? Não seria melhor derrubar ele de uma vez? Pode ser narrativamente um indício de que Solas ainda é misericordioso, mas os evanuris não. Nós sabemos (vou falar disso melhor logo mais) que Solas fica trancado no Fade depois do ritual. Será que Varric poderia estar preso lá também? Outra coisa que eu penso muito é no impacto dessa morte. Sim, para nós, jogadores de longa data, perder o Varric agora é doloroso, mas e para quem está chegando agora, que não conhece esses personagens? Eles acabaram de vê-lo, será que também vão lamentar a perda? Vale a pena matar esse personagem se não for para trazer impacto? A Bioware já cometeu esse erro com Hawke/Alistair em DA:I, onde a decisão de largar um no Fade não impactou muito os jogadores novos. Mas, ao mesmo tempo, Duncan aparece pouco no Dragon Age: Origins e sentimos muito essa perda, então vai saber…

Sobre Solas, o artigo da Game Informer confirma que o ritual deu errado e, por isso, enquanto dois evanuris ficam soltos, ele fica preso no Fade. Por conta do sangue de Rook ter se misturado com o ritual, agora Solas e Rook vão ter uma conexão mental que, possivelmente, vai durar o jogo todo. Será que é possível tirar Solas de lá? Teremos tempo para fazer isso?

Antes de encerrar o texto, quero pontuar algo que me deixou intrigada. Ao que tudo indica, depois do ritual, Solas revela que seu objetivo era tirar Elgar’nan e Ghilan’nain da prisão deles, porque ela estava ficando fraca e eles poderiam se libertar… Mas o ritual não era para derrubar o véu? Por que só esses dois correm o risco de sair, e os outros cinco evanuris? Tão de férias e cansados? O que tirou a força deles a ponto de só Elgar’nan e Ghilan’nain serem ameaças? O que os tornou mais fortes? Por que Solas não quis derrubar o véu agora, ao invés de fortalecê-lo, já que o véu é o que mantém os evanuris presos?

Volto para a teoria dos Blights. Talvez os outros evanuris não tenham força porque os Blights deles já passaram, mas os de Elgar’nan e Ghilan’nain não e eles estão ficando cada vez mais fortes.

Ufa, agora foi tudo! Não temos datas oficiais para as próximas novidades, mas seguimos atentas a tudo que rolar com Dragon Age: The Veilguard.

Leia mais sobre Dragon Age no GG!

Compartilhe: