E o hype só aumenta!

Nós, fãs de Dragon Age, nunca estivemos tão bem servidos nesses últimos dez anos! Nesta terça-feira, dia 11 de junho, a Bioware lançou o primeiro vídeo de gameplay do jogo, com pedaços de história e também mostrando alguns personagens.

Vamos analisar tudo que conseguimos ver nesses 20 minutos. Para você que ainda não assistiu, o link está aqui:

De acordo com os avisos no começo do vídeo, essas cenas acontecem bem no começo de Dragon Age: The Veilguard. Algumas partes foram editadas para “evitar spoilers” e também diminuir o vídeo. Postagens oficiais da Bioware já confirmaram que o começo do jogo é Varric dando um resumo de quem é Solas, então é bem possível que essa seja uma das primeiras cenas.

O protagonista, Rook, está em Tevinter com Varric. Os dois estão prontos para encontrar Harding e depois ir atrás de Neve, uma das companions novas. De acordo com Varric, Neve tem uma ótima pista de onde Solas está.

Primeiro vamos começar apreciando que não só o Criador de Personagem vai entregar muito, mas que a Bioware escolheu um Rook preto para sua primeira gameplay. Para além disso, ele é ladino e Shadow Dragon, uma das seis origens que poderemos escolher para nosso protagonista. Esse é o mesmo grupo de Neve, então Rook e ela tiveram diálogos específicos que devem mudar de acordo com a origem, o que é muito bacana.

Minrathous está LINDA! Toda a ambientação é muito diferente de qualquer coisa que já vimos em Dragon Age. Já tinham mostrado imagens antes, mas ver em vídeo a mistura de uma alta magia em um ambiente sombrio é de tirar o fôlego. Faz a gente entender porque Dorian ficava tão frustrando com o sul em Dragon Age: Inquisition

Em certo momento, vemos uma moça sendo “abordado” pelo que parece ser algum tipo de vigília mágica que vem do céu. O gameplay não se aprofunda nisso, apesar de Rook querer ajudar. Isso abre toda uma gama de possibilidades sobre o quão protegida Minrathous é. Aparentemente, bastante.

De qualquer forma, não dá tempo de fazer muita coisa já que o ritual de Solas começa. Suas intenções continuam as mesmas de anos atrás: derrubar o véu. O suposto “sistema de proteção” de Tevinter começa a derrubar alguns demônios, que provavelmente apareceram porque o véu está fraco. Isso dá uma chance de vermos como Rook vai poder interagir com o mundo: passando por tábuas finas, quebrando ou pulando obstáculos e até deslizando pela neve.

A nossa querida roda de diálogos está de volta, mostrando um símbolo que vai indicar a emoção da fala, parecido com outros jogos da série. Inclusive, o símbolo conhecido como “purple Hawke” (opções sarcáticas) está de volta, o que deixou muitos fãs felizes. Pela interação entre Rook e Harding, parece que eles já se conheceram em algum momento antes dessa cena.

Antes do combate começar, vemos os heróis conversando sobre o sumiço de Neve. Ela foi capturada por venatori (magos de sangue conservadores), o que faz sentido já que ela é dos Shadow Dragons, um grupo que se opõe aos venatori. Varric lamenta a hora que isso aconteceu, indicando que não há relação com Solas, pelo menos não até onde eles sabem. Acho improvável que Solas tenha feito uma aliança com venatori, porque eles reproduzem opressões que Solas detesta.

O combate é uma melhora do que já vimos antes, uma combinação de RPG com ação, bem rápido e fluido. Não é o favorito de parte dos fãs, mas parece dar espaço para pausas e pensamentos mais estratégicos no meio do caminho. Rook troca entre uma espada e arco com facilidade, pode desviar de ataques mágicos e controlar as ações de Varric e Harding através de um menu de roda de habilidades.

Os diálogos entre combates são muito úteis para um novo jogador ter uma noção do que está acontecendo. Harding e Varric explicam o porquê Solas quer derrubar o véu e dão a entender que ele não se importa com as vidas perdidas no meio do caminho. O objetivo dele é recuperar o antigo mundo que existia antes do véu que ele mesmo construiu.

Finalmente encontramos Neve Gallus, com uma introdução de personagem excelente. Os venatori acharam que a tinham capturado, mas aparentemente nossa maga é mais esperta que eles. Ela também não parecia ciente que o ritual de Solas ia começar naquele instante, fazendo a gente acreditar ainda mais que os venatori não estavam trabalhando com Solas.

Aqui temos um diálogo que estabelece os poderes do Solas. Já tínhamos visto em Trespasser que ele estava bem mais forte, mas Neve diz que a magia que ele está fazendo é como se fossem “dúzias de magos”. Boa sorte para nós. De qualquer forma, encontramos o eluvian que Solas usou para sair de Minrathous e lá vamos nós.

Depois de atravessar o eluvian, Harding explica que eles estão na floresta de Arlathan, uma área que fica a nordeste de Tevinter, na fronteira com Antiva. É consideravelmente longe de Minrathous, mas os eluvians permitem esse transporte. O ritual de Solas está acontecendo em uma área com sete estátuas. Lembrando que tirando ele e Flemeth, confirmada como Mythal em DA:I, existem ainda outros sete deuses élficos presos pelo véu.

Para a próxima parte, vamos voltar um pouco em uma imagem dos trailers dos últimos anos. Comentei antes que temos sete evanuris presos dentro do véu. Essa é uma imagem dos trailers antigos:

Esse mural já apareceu várias vezes, mas essa é a melhor versão para vermos os sete símbolos. Muito se especulou sobre eles serem os símbolos dos evanuris presos. Agora olhem essas imagens do ritual de Solas:

Tá faltando um, mas dá para dizer que eles são muito parecidos com o que a gente já tinha visto. Ainda tem uma pilastra maior no meio que não podemos ver, certamente o sétimo símbolo está lá. Vamos lembrar que a área que hoje é Tevinter costumava ser Arlathan. Então não seria nada absurdo imaginar que essa região é a mesma em que Solas trancou os evanuris séculos atrás. O que justificaria ele escolher este lugar para destruir o véu.

Quando o grupo se aproxima o suficiente, Varric diz que precisa ir sozinho para conversar com Solas. Esse é o momento que todos nós prendemos a respiração de nervoso, mas calma. Sim, eu sei que você quis morrer quando Varric diz “Rook, cuida do time por mim”, mas aparentemente ele vai continuar chutando bundas por um tempo.

Enfim, a reação de Varric diz muito sobre a relação dele com o Solas. Apesar de tudo, existe carinho ali, da parte dos dois (como vai ficar óbvio logo mais). Também abre uma boa possibilidade de como vai ser o reencontro do Solas com o inquisidor. Já foi confirmado que teremos um criador de personagem para ele no começo de Dragon Age: The Veilguard. Temos muito potencial aí, principalmente para nós, solavellans que nunca superaram o término.

Aqui também temos a primeira demonstração de aprovação dos personagens. Ao que tudo indica, vai seguir o mesmo modelo do Dragon Age: Inquisition (greatly approval/disapproval, approval disapproval, slightly approval/disapproval). Ainda resta descobrir se isso também vale para personagens fora de cena, como acontecia em certas missões do DA:I.

GRITOS BERROS SURTOS

Aqui conseguimos ver Solas segurando a adaga que Rook tem nas imagens promocionais. Acredito que, depois desse momento, a gente vai conseguir pegar a adaga de alguma forma.

O diálogo aqui é importante. Solas diz: “eu tomei precauções para minimizar os danos”. Pode significar o óbvio, que Solas está tentando causar uma explosão menor, mesmo que ainda mate muita gente… Ou pode ser um pouco mais complexo. Para Solas, existem coisas bem piores que morrer, a escravidão é uma delas. Quando ele fez o véu, foi para prender os evanuris em outra dimensão e impedi-los de escravizar os elfos. Talvez o “minimizar os danos” seja um plano que Solas fez para que véu desapareça sem libertar os evanuris. Assim pessoas vão morrer (como ele mesmo diz: “pessoas estão sempre morrendo, é isso que elas fazem”), mas é melhor do que ser escravizado.

O momento que todo mundo gritou: Solas ataca Varric… Na verdade, a Bianca, destruindo a besta e impedindo Varric de atirar. Isso é importante. Solas é uma pessoa que não deixa ninguém ficar no caminho dele, mesmo quem ele ama. Se ele considera a causa justa, qualquer sacrifício é válido. A gente já viu Solas transformando inimigos em pedra por menos. Mas aí que está, Varric não é um inimigo, eles se conhecem há anos, e isso mostra que ainda existe compaixão e piedade em Solas.

Curiosidade: eu e minha amiga (@doraizzza) estávamos conversando sobre essa cena e ela levantou a teoria de que o seu histórico no DA:I (mesmo que seja um padrão para quem não jogou antes) defina essa cena. Se Solas terminou Trespasser em bons termos com o inquisidor, ele destrói Bianca. Caso contrário, ele mata Varric. Isso implicaria em muitas mudanças, já que um personagem importante poderia estar fora do jogo, mas também estabelece um tom importante para um dos antagonistas. Vamos manter isso em mente para quando o jogo finalmente for lançado.

Rook resolve interromper o ritual quebrando uma das estátuas. O jogador precisa escolher entre levar Harding e Neve, enquanto outra pessoa fica cuidando dos demônios. O jogo avisa que a escolha trará consequências. Fico me perguntando se essas “consequências” é um aviso para novos jogadores quanto as aprovações, ou se uma das duas (a que ficar para trás?) vai acabar sofrendo com essa decisão. O gameplay nunca chega nesse ponto, mas de repente pode ser algo como Kaidan/Ashley em Mass Effect 3, que ficam feridos e só podem voltar para a equipe de Shepard depois de algumas missões. Caso seja a segunda opção, é possível que esse Dragon Age: The Veilguard tenha os riscos mais altos de toda a franquia.

Ainda na conversa entre Solas e Varric, eles comentam sobre viajarem juntos anos antes. Já sabíamos que algum tempo tinha passado por conta da aparência de Varric. Há alguns boatos na internet chutando nove anos e eu concordo. Pelo fato de, como mencionei no texto dos personagens, o conto de Emmrich começar com “9:22, 30 anos atrás”. Isso significa 9:52, cerca de nove anos depois de Trespasser.

Chegamos em outro momento tenso. Rook e Harding conseguem derrubar as estátuas do ritual. Mas, como Neve bem disse antes, interromper uma magia desse nível tem consequências. Solas impede a estátua de cair em cima dele e de Varric. Como não vimos Varric de perto depois disso, muitos fãs acham que ele pode ter morrido, mas não acredito que seja o caso. Vemos Harding e Rook escapando, mas nada de Neve.

imagem clareada

Uma brecha se abre e vemos duas criaturas aparecendo. Pela expressão de Solas, é problema. Ele parece ser sugado para dentro da abertura e o vídeo acaba. Ao que tudo indica, a interferência de Rook que causou esse final. Tenho bastante certeza que esses dois seres são evanuris, não só pelo design, mas pela reação do Solas e por todo o histórico de como o véu foi criado. Além de que um dos releases da Bioware confirma que vamos enfrentar “deuses élficos” no plural. Mas quais?

Pelos símbolos, ao que tudo indica, estamos falando desses dois:

Nós temos poucas informações dos outros deuses, então tudo é um bom chute a partir daqui. Muitos acreditam que a da esquerda é Ghilan’nain, a mãe das hallas, pelo que parecem ser chifres na cabeça dela. Faz sentido, mas se compararmos com os símbolos de antes, tem outro que parece mais com um chifre. Esse também se assemelha com um arco, que é um dos símbolos de Andruil, a deusa da caça.

Inclusive esse símbolo de “quase chifres” é o mesmo na cabeça da estátua que Rook derruba:

Vale apontar também que a última estátua a cair é a do símbolo do evanuris da direita:

Muitos acreditam que esse seria Elgar’nan, o pai do panteão, deus da vingança e representado pelo sol. Talvez não a melhor escolha para soltar por aí… O símbolo aqui parece mais com uma lua, mas no mural, é o que está no meio, então muitos acham que isso seria um sinal de que é o “evanuris principal”.

Seja lá quais evanuris foram soltos, com certeza vai ser um problema e caberia perfeitamente na descrição “vão ter mais antagonistas que o Solas em Dragon Age: The Veilguard” que a Bioware declarou.

Ufa, muita coisa! Mas isso é Dragon Age. Vamos continuar de olho nas novidades e ir atualizando vocês!

Leia mais sobre Dragon Age no GG!

Compartilhe: