Tudo que rolou na Video Games Live 2016, orquestra que toca músicas de videogame, em BH

vgl

Toca Raul Gear! Pl0x!

No dia 23 de outubro aconteceu em Belo Horizonte (MG) a segunda edição do Video Games Live (VGL) na cidade, 7 anos depois de seu primeiro show por aqui.

O evento, que já conta com 11 anos de apresentações consecutivas no Brasil, teve ingressos nos valores de R$200,00 a inteira e R$100,00 a meia para as plateias superiores e R$230 e R$160 para as inferiores, com um espetáculo de 3 horas que reuniu orquestra, performance, coral, vídeos e muita interação com o público.

Depois de 7 anos de espera, o público belorizontino já não tinha tanta expectativa de que o evento retornasse por essas bandas. Ao contrário da última apresentação, nesse ano ela foi realizada no Cine Teatro Brasil, um ambiente com capacidade para apenas mil pessoas e que, mesmo assim, deixou uma série de lugares vazios na platéia.

O problema principal, imaginamos, esteve na falta de divulgação do evento. Pouquíssimas pessoas, mesmo dentro do círculo dos interessados em games, cosplay, anime etc., sequer sabiam da realização do VGL, descobrindo praticamente no dia, quando o Facebook começou a mostrar na linha do tempo aqueles que haviam demonstrado interesse no evento.

Mesmo com a baixa, a apresentação não deixou nada a desejar, e trouxe para esse ano algumas várias novidades na Playlist do show:

Playlist

(Ordem aleatória)

  1. Tron + Castlevania
  2. Overwatch
  3. Command and Conquer: Red Alert
  4. World of Warcraft
  5. Chrono Trigger
  6. Chrono Cross (Scars of Time)
  7. Tetris (Korobeiniki)

    (Filmagem do Rio de Janeiro!)

  8. ICO
  9. Sonic (Medley)
  10. Phoenix Wright
  11. Skyrim (Dovahkiin)
  12. MetalGear Solid (Snake Eater)
  13. Kingdom Hearts (Simple and Clean)
  14. Final Fantasy VII (One Winged Angel)
  15. Donkey Kong (Medley)
  16. The Legend of Zelda (Medley)
  17. Portal (Still Alive)
  18. Street Fighter (Versão para o Blanka)
  19. Top Gear / Horizon Chase

Interação

Uma das melhores coisas do VGL é, sem sombra de dúvidas, a interação do Tommy Tallarico (o realizador do VGL) com a plateia. Durante todo o show ele conversa, brinca e fala, claro, de fã para fã. Para essa edição também estiveram presentes Russell Brower (compositor para a Disney e Blizzard), a super talentosa Laura Intravia (também conhecida como Flute Link, cantora lírica e multi-instrumentista) e a Orquestra Sinfônica Villa-Lobos daqui do Brasil, que deu um show nas apresentações de Skyrim e Tetris, principalmente.

Entre cada bloco de composições éramos apresentados a alguns vídeos engraçadinhos como esse, de 10 piores títulos de games:

Durante toda a apresentação, a plateia participou e pediu músicas, principalmente a de Top Gear, e foi bem no finalzinho, depois de fazer charme com o horário de término do show, que eles decidiram trazer ao palco o compositor da música original do game: Barry Leitch!

Ele falou rapidinho sobre essa fissura dos fãs brasileiros com o game, e como isso o surpreende até hoje. Daí trouxeram para o palco também um dos responsáveis pela criação do Remake brasileiro: Horizon Chase, do estúdio gaúcho Aquiris, para falar rapidinho sobre o game e sobre a vinda de Barry ao Brasil.
E, claro, fica o vídeo para os fãs:

Ainda teve um sorteio das músicas digitais para os fãs que participassem da fanpage do VGL durante o show, em que Tommy postou uma bolsa de Pokémon que ele acabou encontrando no mercado popular da cidade e pediu que ali comentássemos o nome da última música tocada.

Após as apresentações ainda rolou um Meet & Greet rapidinho aberto pra todo o público, em que Tommy anotava as principais recomendações de músicas e anunciava o novo CD do Video Games Live que eles estavam lançando.

Para os próximos anos, espero poder ouvir trilhas de games como Journey, Assassin’s Creed e outros Final Fantasy(s) que não sejam o 7 😛 E você? O que espera ouvir?

Quem escreve? Laura Ribeiro

Mineira, costureira, jornalista e cosplayer. Fanática por Final Fantasy Tactics e certa de que não há melhor narrativa no mundo dos jogos. Meu primeiro GameBoy foi a fagulha que incendiou a paixão pelos jogos e que se mantém acesa até hoje. Jogo de tudo: desde Tetris até romance com pombos, sem preconceitos.