The Walking Dead: Sobreviva às suas escolhas neste jogo tenso

The Walking Dead cover

Desde que li o review da Patrícia sobre The Wolf Among Us comecei logo a jogá-lo. Resultado: terminei o jogo em 2 dias. E ainda por cima me viciei na HQ Fábulas, onde o jogo é inspirado.

Mas o que tem a ver The Wolf Among Us com The Walking Dead? Ambos foram criados pelo mesmo estúdio: Telltale Games. Me apaixonei pelo estilo dos jogos lançados pela empresa. Eles partem da premissa de que qualquer um pode jogar os seus games mesmo não sendo um jogador hardcore. Dão bastante ênfase à narrativa e seus sistema de escolha de ações e consequências. Assisto ao seriado The Walking Dead (e já assisti vários filmes de zumbi) e já li boa parte da HQ de Robert Kirkman, mas devo confessar para vocês que tenho um sério problema com jogos de zumbis. Fico extremamente TENSA! E normalmente evito jogar esse tipo de game, mas como era da Telltale Games resolvi dar uma chance. Assim como em The Wolf Among Us, The Walking Dead é dividido em cinco capítulos e cada um tem duração de cerca de duas horas.

Se preparem para encontrar com alguns personagens e visitar alguns cenários da série de TV.

História

Grupo

Em The Walking Dead você começa o jogo controlando o professor de história, Lee Everett. Ele está sendo escoltado num carro da polícia para a prisão.  Que crime ele cometeu? Vocês só vão saber durante o jogo.

Durante o trajeto, o policial acaba atropelando uma pessoa/zumbi, o carro capota e sai da pista. Ele se machuca no acidente e foge para a casa mais próxima. Lá Lee, encontra, a garotinha mais fofa do mundo, Clementine, e promete tomar conta dela. A partir daí, começa a luta pela sobrevivência dos dois.

Escolhas

Choices

Para cada ação, existe uma reação. Para cada decisão tomada, existe uma consequência. Lee e Clementine logo se juntam a um grupo de sobreviventes e aí que seus problemas começam. Cada um do grupo tem seu modo de pensar e isso gera atritos. Cabe ao jogador escolher quem está certo ou errado. Você pode até ficar neutro, mas a neutralidade não vai durar muito tempo. Os conflitos vão aumentando e você tem que ter um posicionamento. O problema é que essa decisão sempre vai deixar alguém infeliz ou com raiva. Nos diálogos, você pode escolher entre falar a verdade, mentir ou evitar responder uma pergunta. Essas escolhas podem repercutir nos capítulos seguintes. Sua decisão pode ser a vida ou morte de um personagem.

No final de cada capítulo, aparece o “Player Choices”, que é nada mais nada menos do que a porcentagem de escolha que todos os outros jogadores fizeram. É interessante analisar o que os outros jogadores escolheram responder ou fazer.

Jogabilidade

TWD

Como eu disse antes, qualquer um pode jogar, mesmo não sendo um jogador assíduo. Durante o jogo, sempre aparecem dicas de qual botão apertar e como pressioná-lo. Caso você morra, o jogo volta para o último checkpoint (existem vários). Existem muitas oportunidades de busca nos cenários. Sempre procure em todos os lugares, porque pode ter um objeto escondido que vai ajudá-lo de alguma forma.  Você pode puxar conversa com os seus colegas de grupo e, especialmente, Clementine. Algumas conversas terão várias respostas com tempo cronometrado. Para isso, o jogador precisa tomar a decisão rapidamente antes que o tempo acabe e necessita ter reflexos rápidos (não só para as conversas, mas para os momentos de perigo também). O jogador pode escolher a que achar mais apropriada para a situação ou até mesmo permanecer em silêncio.

Não pensem que sairão dando headshots nos zumbis como se não houvesse amanhã. O jogo foca mais na narrativa e solução de puzzles (que não são nada complexos). Mas não se preocupem que vocês darão alguns headshots sim. Aliás headshots, machadadas, chutes, etc…

Arte

Clementine

O jogo é feito no estilo gráfico cell shading, técnica de renderização de imagens 3D para se assemelhar ao 2D. Dessa forma, as imagens ficam parecidas com desenho animado e quadrinho. Mas não pensem que porque é utilizado esse tipo de estilo gráfico que o jogo é infantil, pelo contrário, o game possui uma temática bastante adulta e violenta.

 

Para jogar TWD não é necessário ter lido as HQs ou acompanhar a série de TV. Basta gostar de ficar tenso zumbis, survival horror e de uma boa narrativa. Confesso que morri logo no primeiro zumbi. Huehuehue! Existem momentos de muita tensão e sustos. O jogo faz jus ao universo de walkers da HQ escrita por Kirkman. Eu diria que chega a ser até ser melhor que o seriado (que tem seus altos e baixos).

The Walking Dead foi lançado em 2012 e já ganhou mais de 90 prêmios. Em 2013, TWD ganhou uma continuação: The Walking Dead: Season Two.

O game está disponível para PC (Steam), Mac, PS3, Xbox360, iOS e Android.

Para fechar, assistam ao trailer:

 

Quem escreve? Rany

Graduada em Jornalismo e Jogos Digitais e pós-graduada em Mídia Digitais. Fã incondicional de As Crônicas de Gelo e Fogo, Tolkien, Fables, Tarantino, Miyazaki, Okami, Dragon Age e Mass Effect. Divido meu tempo livre com os meus vícios em séries de tv, filmes, livros e games.