Reboot de She-Ra terá representatividade LGBT!

Adora-and-Swift-Wind

E só melhora! <3

Várias mudanças são esperadas no reboot da Netflix da clássica série de animação, She-Ra e as Princesas do Poder, mas uma das mais progressistas mudanças deve ser a inclusão de personagens LGBT no universo. De acordo com Noelle Stevenson, produtora-executiva da série, a animação não será radicalmente diferente do original, televisionado nos anos 1980, mas abraçará questões modernas.

A representação mencionada por Stevenson se refere especificamente ao personagem Bow, que na adaptação terá dois pais. Na série original, seu nome tinha como base o fato de ser o melhor arqueiro em Eternia (bow significa arco, em inglês), e isso deverá ser mantido. Além disso, Stevenson mencionou que a nova série trabalhará melhor os diferentes tipos físicos dos personagens, o que é evidente no primeiro trailer divulgado.

Na ordem: Glimmer, Bow e Adora

Na ordem: Glimmer, Bow e Adora

A relação entre a anti-heroína Catra e Adora será outro ponto diferente da história original, de acordo com o primeiro trailer, uma vez que na série original a vilã era abertamente má.

Adora e Catra

Adora e Catra

Hordak, o líder da Horda do Mal também foi apresentado no trailer, que mostramos já neste post.

A nova série terá sua primeira temporada lançada integralmente no dia 16 de novembro, na Netflix.

Quem escreve? Liao

Débora é musicista, pesquisadora e otaku (não fedida, prometo). 1/3 gamer, 100% sonserina. A alcunha de Liao veio de um site aleatório de geração de nomes japoneses (Liao é chinês, mas tudo bem).