Por que tantas continuações, remasterizações, reboots e remakes na indústria dos games?

Final Fantasy VII Remake cover

 Você consegue diferenciar cada um deles?

Para quem acompanhou as conferências da E3 2016 viu a quantidade de jogos novos, mas também tinham várias continuações e algumas remasterizações de jogos. Ultimamente Hollywood está lançando uma grande quantidade de continuações, remakes e até reboots. Quantos reboots do Homem-Aranha já foram feitos? Quantas continuações de Velozes & Furiosos e Jogos Mortais já existem? Séries de TV estão passando pelo mesmo processo. Seriados que fizeram sucesso no passado ganharam mais um temporada. Fuller House, DallasArquivo X e Gilmore Girls (<3) voltaram ou estão programadas para voltar. Mas o que isso tem a ver com games? A indústria de jogos também está passando por essa fase!

Comecemos por diferenciar o que é remaster, remake, reboot e continuação:

A remasterização de um jogo (ou filme) tem como objetivo melhorar a qualidade gráfica (textura) e sonora. Geralmente o game continua o mesmo, mas existe atualização dos gráficos e do som. O jogo fica mais lindo do que já era! As remasterizações estão sendo bastante lançadas para o nova geração de consoles. Exemplo de jogos remasterizados: The Last of Us Remastered, Final Fantasy X/X2 Remaster, Grim Fandango Remaster, Day of the Tentacle Remastered, etc.

The-last-of-us-remastered

Já o remake, traz a ideia de refazer o jogo. O processo envolve mais do que atualização dos gráficos e do som. Pode mudar a mecânica ou algum elemento da narrativa. Alguns anos atrás participei de uma pesquisa da Square Enix. Uma das perguntas realizadas foi qual remake eu gostaria que o estúdio fizesse. Respondi sem pensar duas vezes: Final Fantasy VII. Ano passado finalmente foi confirmada que a Square Enix traria um dos dos seus maiores sucesso de volta. O jogo conta com atualizações dos gráficos e mecânica de luta completamente diferente. Antes as batalhas eram realizadas por turnos e agora será lançado um RPG de ação. Além disso, será lançado em episódios. Bom, veremos como ficará o resultado.

Final Fantasy 7 remake

A ideia do reboot é pegar um jogo (ou filme), ignorar o que já foi feito e recomeçar do zero. A história do game, personalidade e características físicas dos personagens podem mudar completamente. Como exemplo temos o reboot de Tomb Raider. A origem de Lara Croft foi recontada e houve mudança (para melhor) na forma física e na personalidade da arqueóloga.

Tomb Raider

A continuação já é bem mais fácil de entender. Ao ver que um jogo fez sucesso e teve um bom número de vendas, logo é planejada uma continuação para a primeira história. Existem casos que a história é pensada para ter uma continuação e só será colocada em prática se o jogo (ou filme) tiver lucro. Essas continuações podem conter o mesmo personagem principal (ou não) da franquia. Continuações como God of War, Mass Effect, Dragon AgeAssassin’s Creed, Call of Duty, Battlefield, entre outros. No caso de Assassin’s Creed, a necessidade de lançar pelo menos um jogo da franquia por ano fez com que o lançamento apressado do Unity fosse cheio de bugs e sem inovações. O jogo desagradou a crítica e os fãs. No mesmo ano de 2014 foi lançado o Rogue, ou seja, foram dois grandes jogos da mesma franquia lançados com pouco tempo de diferença. Ano passado houve apenas o Syndicate. A Ubisoft aprendeu a lição e resolveu dar um tempo entre os lançamentos dos jogos da franquia. AC novo só próximo ano.

God of War 4

Não estou dizendo que ter inúmeras continuações, remasterizações, remakes e reboots é necessariamente uma coisa ruim, mas talvez isso retrate falta de criatividade na indústria ou de ousadia ao querer investir em histórias inéditas. Infelizmente é mais fácil investir em algo que já faz sucesso do que criar um jogo completamente novo. Uma vantagem dos estúdios indies é que podem lançar histórias inéditas, arriscar sem se preocupar tanto com o lucro que o jogo pode causar. Não que os indies não queiram ganhar dinheiro, mas eles podem se permitir criar coisas novas, arriscar mais.

Desenvolver um jogo dá muito trabalho e custa muito dinheiro. Pode conter uma grande equipe de criação ou não, dependendo do tamanho da empresa e do projeto. É um processo que envolve game designers, artistas, programadores, sound designers, roteiristas, animadores, entre outras funções. Por isso, talvez seja mais difícil para as empresas Triple A inovarem, já que existe muito dinheiro em jogo.

Fe

Um grande número de continuações podem (ou não) desgastar uma franquia. As remasterizações podem levar uma nova geração a conhecer os jogos que fizeram sucesso no passado ou permitir momentos de nostalgia para os jogadores antigos. Cada um pode trazer suas vantagens e desvantagens. Sou a favor de continuações contanto que a história seguinte seja tão boa ou melhor que a primeira, que tenha algo a acrescentar. Vibrei muito com o trailer de Mass Effect: Andromeda, por exemplo. Mas só terei um veredito quando jogar.  Não sei vocês, mas gosto de jogar versões remasterizadas de jogos da minha infância e adolescência. Quanto mais gente conhecendo jogos bons e jogando, melhor para nós e para a indústria, não é mesmo? Se o remake ou o reboot tiverem coisas boas a acrescentar ao game que continuem sendo feitos. O problema é quando a indústria tem como objetivo ganhar dinheiro sem se preocupar se os fãs vão gostar ou não.

O que me levou a escrever esse texto foi um comentário de uma pessoa que eu li no Facebook. Não lembro qual foi a matéria, mas ele comentava que até agora não tinha um jogo que fosse a cara da 8ª geração.  Será que já não existe mesmo? Ou essa nova leva de jogos apresentados na E3 promete ter jogos que vão marcar os atuais consoles?

For Honor

A E3 apresentou novidades como Prey,  Inside, We Happy Few, Days Gone, The Last Guardian, Horizon Zero Dawn, DETROIT: Become Human, Death Stranding, For Honor, etc. E continuações ou remasterizações de God of WarDishonored 2, Skyrim Special Edition, Fe, Mass Effect: Andromeda, Titanfall 2, The Legend of Zelda: Breath of the Wild, Battlefield 1, Gears of War 4, Resident Evil 7: Biohazard, South Park – The Fractured but Whole, Watch Dogs 2, entre outros. Qual desses games você está mais ansioso para jogar? Para você qual jogo já marcou a 8ª geração?

Quem escreve? Rany

Graduada em Jornalismo e Jogos Digitais e pós-graduada em Mídia Digitais. Fã incondicional de As Crônicas de Gelo e Fogo, Tolkien, Fables, Tarantino, Miyazaki, Okami, Dragon Age e Mass Effect. Divido meu tempo livre com os meus vícios em séries de tv, filmes, livros e games.