Romance é o bônus da vida!

Romance is a Bonus Book ganhou meu coração por ter como cenário uma editora que é palco de algumas cenas interessantes. Será que fui atraída pela minha paixão pelos livros? De início, sim!

A coisa toda é fofa, leve e cheia de histórias que fazem você se identificar, seja com os acontecimentos ou com as personagens.
Diferente das resenhas de costume, eu não vou apresentar aqui cada uma das personagens e suas histórias, mas uma coisa eu preciso dizer: todas elas fazem sentido no dorama (tipo, não tem ninguém avulso não!). E você vai encontrar uma para chamar de sua!

Imagem via Soompi

Minha ideia com essa resenha é chamar a sua atenção para dois pontos altos da história e eles vão fazer você querer maratonar a parada! Prepare-se para 16h sem levantar a bunda da cama (ou sofá).

A sociedade diz que a mulher tem prazo de validade!

Imagem via Pinterest

Romance is a Bonus Book traz muitas mulheres, que por sinal são as que mais se opõem à contratação da nossa protagonista fofa durante suas tentativas e entrevistas, mas que também apresentam muitas questões como aceitação, casamentos falidos, idade e até abandono.

Kang Dan Ih se formou em uma universidade de prestígio, trabalhou em grandes empresas e até recebeu prêmios. Mas, após se casar e ter uma filha, largou tudo para se dedicar ao novo momento de sua vida. Ao tentar voltar para o mercado, ela encontra uma série de empecilhos, como a idade e até o tempo em que ficou fora do mercado de trabalho. Para mim, a maior de todas as asneiras era o fato dela ser muito qualificada para ocupar cargos abaixo dos que já trabalhara e isso poderia constranger os colegas! (OI?)

Tantas são as desculpas esfarrapadas que ouvimos quando decidimos acreditar na gente, né? Principalmente, quando temos capacidade para ocupar lugares e posições que normalmente são ocupados por “alguém mais qualificado”.

A sociedade diz que a mulher tem prazo de validade, com filhos e sem um homem para salvá-la, pior ainda! Kang Dan Ih vem pra nos mostrar que não é bem assim! Como não amá-la?

Imagem via Twitter

Isso já no traz ao segundo ponto que achei incrível!

O romance é o “bônus” da vida!

Me apaixonei desde o começo pela história de uma mulher que acreditava em si e apesar de todas as coisas que passou, não perdeu seu brilho e nem a vontade de viver a sua vida! A determinação dela chega a nos constranger, já que estamos mais para desejar morrer com a primeira resposta negativa. (Sou só eu?)

É uma narrativa que pode ser considerada chata, pois os primeiros episódios são sobre a história comovente da protagonista e o romance entre os personagens não aparece até quase a metade dos episódios. (Não desista!)

Me intrigou esse tipo de abertura em um drama romântico que define um tom de vida inspirador, ao invés de romântico. A série faz com que o público, que passou ou passa por situações semelhantes na vida, considere uma boa história inspiradora.

O tempo todo a gente ouve histórias de sucesso, mas tendemos a ignorar a quantidade de trabalho e sacrifício pelas quais as pessoas passam. E a cada episódio e diálogos, relembramos que nem tudo é sol e arco-íris, e que nós não podemos deixar que nossas circunstâncias passadas ditem nosso futuro.

Tem romance fofo? Sim! Tem beijinhos e a gente tem vontade de trazer o Cha Eun Ho para casa? Com toda a certeza! Mas isso é só uma parte e não o todo. Como na vida, né?

Imagem via Twitter

Para encerrar, eu também gostaria de dar crédito à cinematografia, acho que foi certeira! Além de inspirador e romântico, garantiu umas boas risadas.

Se você está precisando de leveza e inspiração, esse dorama é pra você!

Compartilhe: