Assistiu à série You, da Netflix, se sentiu apaixonado(a) por Joe Goldberg? Por que isso acontece? 

Todos gostamos de acreditar que somos ótimos em julgar o caráter alheio, mas as coisas não são tão simples assim.

Se você assistiu à série You, da Netflix, há uma chance de você ter começado a se questionar sobre alguns comportamentos seus, especialmente se você teve uma “quedinha” pelo protagonista Joe Goldberg.

Acredite: isso não aconteceu só com você. A repercussão foi tamanha que levantou várias questões sobre o porquê de nos apaixonarmos por psicopatas.

E os estudiosos já alcançaram algumas respostas.

joe goldberg

Empatia nos deixa mais vulneráveis

Sem dar spoilers, há várias oportunidades no decorrer da história em que torcemos para que Joe acabe se safando das consequências de suas atitudes.  Sabemos que o que ele está fazendo está errado, então por que torcemos por ele?

Tudo se resume à empatia que Joe evoca em nós, segundo Neo Perpetua, psicóloga formada na Universidade de Londres.

“A empatia é realmente sobre como somos obrigados a entender por que as coisas são do jeito que são. E tentamos fazer isso para outras pessoas, especialmente se somos muito compreensivos com as outras pessoas. Então, quando temos empatia por alguém, isso nos prende dentro”.

Além disso, gostamos de dar às pessoas o benefício da dúvida e uma segunda (ou quinta) chance de se redimir. A maneira como Joe narra os acontecimentos e sua história acaba despertando nosso amor pela redenção, especialmente na segunda temporada, quando ele demonstra vontade de mudar. É natural que torçamos para a melhora de alguém.

Isso se torna mais acentuado quando descobrimos que Joe teve uma infância trágica, aproveitada na série para trazer à tona esse sentimento porque nos provoca um instinto de guarda. Quando ouvimos uma história tão triste e tão sombria, liberamos ocitocina em nosso cérebro, também conhecido como hormônio da ligação, tornando o sentimento mais consistente.

A falsa concepção do amor romântico

Ainda, segundo a psicóloga, o comportamento de Joe pode até parecer romântico “para aqueles de nós que foram criados com filmes românticos e com finais felizes, como os da Disney, porque eles praticamente invadiram nossa consciência. Joe ama loucamente vítimas e as torna o centro de seu mundo”.

Se juntarmos a vulnerabilidade com a falsa concepção de que o único amor possível é aquele romântico que nos é apresentado pela mídia, temos um motivo pronto para nos apaixonar por Joe.  A psicóloga diz que temos a impressão de que “se estamos vulneráveis porque estamos procurando alguém para nos resgatar, psicopatas sofisticados e outros tipos de pessoas com transtornos de personalidade similares estarão sempre disponíveis para nós”. Pessoas com este tipo de transtorno são mestres em criar as perfeitas primeiras impressões, criando essa percepção e tecendo essa pequena teia na qual eles prendem sobre as vítimas.

Vale ressaltar que, é claro, com tantos aplicativos de namoro hoje em dia, qualquer pessoa pode produzir uma ótima primeira impressão. Mesmo quando algo dá errado, “se já tínhamos essa noção preconcebida de que essa pessoa é sensível e emocionalmente presente, é muito fácil acreditar que ela é uma boa pessoa”, acrescenta a profissional.

Joe Goldberg

Precisamos melhorar nossos limites

É importante entender que mesmo dentro de um relacionamento, existem limites, e eles não são iguais aos que nos são mostrados pelas paixões avassaladoras dos cinemas.

“Assim como você é responsável por seus próprios problemas e seus próprios demônios, a outra pessoa é responsável pelos dela. Os relacionamentos são fundamentalmente sobre interdependência, e sobre não dependência”.

Ainda, segundo a psicóloga, é preciso que cuidemos de nós mesmos e de nossas necessidades primeiro, porque o amor próprio ajuda a diminuir nossa vulnerabilidade, e nos torna mais autossuficientes, mais sábios para confiar em nossos instintos.

Embora Joe Goldberg seja um exemplo mais extremo de psicopata, não dá para garantir que “versões mais leves” não entrem em sua vida. Então, confie na sua intuição, observe atentamente os comportamentos e, por favor, coloque cortinas em suas janelas.


Matéria traduzida e adaptada de MGB.

Curtiu? Então leia aqui por que gostamos tanto de romances adolescentes.

Compartilhe: