Jogue Final Fantasy XV: um game sobre perdas, sacríficos e amizade

ff

Um jogo para fãs novos e antigos

Final Fantasy XV foi um dos games mais aguardados em 2016 pela crítica e pelos fãs. Desde que a Square Enix fez o anúncio com o título de Final Fantasy Versus XIII, dez anos de produção se passaram. A cada novo game da franquia anunciado cria-se um enorme hype entre os fãs porque desde o seu primeiro jogo lançado em 1987 vários títulos foram responsáveis por influenciar ou redefinir o futuro dos jogos do gênero JRPG. Nem todos possuem a mesma qualidade de um Final Fantasy VI ou Final Fantasy VII (considerados os melhores da franquia), mas mesmo assim os fãs esperam ansiosos pelas novidades do próximo jogo da série.

FFXV

Problemas na produção

Dez anos é muito tempo de desenvolvimento para um jogo. A equipe muda e, possivelmente, a história também. Segundo um desenvolvedor anônimo contou no NeoGAF (o link contém muitos spoilers) vários detalhes da produção do jogo cinco meses antes do lançamento e relatou problemas no desenvolvimento do game como o porquê da troca diretor e mudanças de última hora na história e personagens. O desenvolvedor anônimo contou também que o jogo deveria ser originalmente uma trilogia, que o diretor Tetsuya Nomura saiu da produção para se dedicar a Kingdom Hearts 3 e o remake de Final Fantasy 7 (quem assumiu a direção foi outro veterano da franquia Hajime Tabata) e mesmo nos últimos meses ainda estavam desenvolvendo o tempo de duração do jogo e alterando os personagens.

Mesmo sabendo de todos esses problemas da produção, vale a pena jogar Final Fantasy XV? Sim, vale a pena, independente se for você já for fã da franquia ou não e já vou explicar os motivos.

Narrativa Transmídia

Kingsglaive_Final_Fantasy_XV

FFXV se aproveitou da narrativa transmídiática ao lançar o OVA Brotherhood: Final Fantasy XV com cinco episódios e o filme Kingsglaive para situar os fãs antes do lançamento do jogo. Não é obrigatório assistir as animações antes de jogar, mas é interessante para entender melhor a história e conhecer melhor os personagens.

Trilha Sonora

FFXV Soundtrack

FFXV possui uma trilha sonora fantástica. Ao longo do jogo você pode adquirir as trilhas sonoras dos demais games da franquia para ouvir dentro do carro Regalia ou quando estiver andando por aí pelo mapa. Só fiquei decepcionada porque não incluíram na trilha sonora de Final Fantasy X, To Zanarkand 🙁

Logo no começo do jogo (e no final também) ouvimos a versão linda e melancólica de Stand By Me cantada por Florence Welch da banda Florence + The Machine. A música é originalmente de Ben E. King e já ganhou diversos covers de John Lennon a Eric Clapton, Ike & Tina Turner até U2 e Bruce Springsteen. A versão de Florence é uma mais belas que eu já tive o prazer de ouvir. Florence + The Machine é também responsável por outros trilhas sonoras maravilhosas dentro do jogo.

Você pode ouvir Stand By Me aqui:

Curiosidade: Stand By Me (Conta Comigo) também é o nome um filme clássico de 1986 onde quatro amigos saem em uma aventura para encontrar o corpo de um amigo desaparecido. Assim como no jogo, o filme também é uma homenagem à amizade.

História

Lunafreya

Lunafreya

O príncipe Noctis, do Reino de Lucis, juntamente com Gladiolus, Ignis e Prompto saem em uma jornada no carro real Regalia para se casar com a oráculo e amiga de infância, Lunafreya, na cidade de Altissia. A união serve como assinatura do tratado de paz com o império de Niflheim. Claro que a jornada dos quatro amigos não será tão simples assim. Muitos inimigos, monstros e magiteks aparecerão nos seus caminhos.

Bromance

Bromance

Ao ver a interação, amizade e companheiros de Noctis, Gladiolus, Ignis e Prompto não há como não pensar em bromance. Eles não estão ali apenas para guiar e proteger Noctis, mas estão nessa jornada como amigos que fariam qualquer coisa para ajudar o príncipe. E você pode ver isso através das conversas entre os companheiros e das fotos tiradas por Prompto. Aliás, as fotografias são um jeito bem interessante de demonstrar essa amizade. Seja através de fotos tiradas durante a batalha ou quando Prompto pede para parar em algum local mais turístico para tirar uma foto dos quatro ou ao dormir no acampamento (ou hotel) você escolhe com quais fotos quer ficar. O álbum de apenas 150 fotos tem muito pouco espaço para a quantidade de fotografia que você deseja guardar do grupo ou das pessoas que vai conhecendo durante o percurso.

Missões

Behemoth

O jogo em si tem pouca duração. Entre a missão principal que é levar Noctis ao encontro de Lunafreya e as reviravoltas, entre ir atrás dos summons e procurar as armas reais, o game pode ser terminado em pouco tempo. Contando com as missões secundárias essas horas podem dobrar ou até triplicar. Cada missão indica o nível mínimo que os personagens devem ter para realizá-la. Missões secundárias não faltam em FFXV, apesar de algumas serem bem repetitivas. Seja ajudando pessoas ou caçando monstros, você pode adquirir itens, ganhar dinheiro, aumentar XP dos personagens e conhecer as belíssimas paisagens do mundo de Final Fantasy XV.

Cenários

FFXV 2

No começo do jogo você não pode dirigir o Regalia com Noctis no comando, apenas Ignis fica como motorista oficial no modo automático, já que no começo a história é bem linear. Mas pode aproveitar entre uma missão e outra para admirar os cenários de FFXV. Seja de carro, a pé ou montado em um chocobo aproveite para explorar o mapa, pescar com Noctis e conhecer/enfrentar as criaturas presentes no mundo do game. Fotos não vão faltar para Prompto tirar. De vez em quando é bom dispensar o travel fast para rever as paisagens ou explorar um local que você ainda não viu direito.

Summons (Astrals)

Leviathan

Para quem já é fã antigo da franquia sabe que todo Final Fantasy possui summons. O FFXV não é diferente. Na sua jornada Noctis terá que adquirir seis summons. Alguns se juntam a Noctis pacificamente, enquanto outros demandam uma batalha para testar a força do príncipe. Os summons estão maiores e mais poderosos do que nunca, mas não podem ser usados em qualquer hora ou lugar como nos jogos anteriores. Vai depender onde você estiver, o tempo de duração da luta, se tem companheiros caídos no campo de batalha ou HP baixa.

Sistema de Batalha

Batalha

As batalhas são bem dinâmicas e em tempo real. O jogador controla apenas Noctis que pode utilizar diversos tipos de armas, magia, translocação, se defender, contra-atacar e combinar ataques com os seus companheiros. A translocação é uma espécie de teletransporte que pode ser usado para ir para lugares mais altos, para recuperar HP ou atacar os inimigos por trás. Pode usar elementos do cenário ao seu favor e elaborar estratégias durante a luta. Dá para fazer um ataque surpresa, surpreendendo os inimigos por trás.

Até se acostumar com os controles demora um pouco. Especialmente, quando são vários inimigos atacando de uma vez só. É aconselhável fazer o tutorial de luta com Noctis e Gladiolus antes de começar o jogo. A câmera em locais mais fechados como em dungeons ou locais abertos com muita vegetação podem atrapalhar a visibilidade durante a luta e frustar os jogadores até encontrarem uma posição boa para a câmera ou ter que mover Noctis para um lugar mais visível.

Pontos Positivos

Foto FFXV

  • Amizade: O companheirismo entre Noctis, Gladiolus, Ignis e Prompto é a melhor coisa que existe em FFXV. As conversas entre eles dentro ou fora do carro, o modo como se relacionam e o carisma dos personagens é algo difícil de ver nos jogos. Entre brincadeiras e conversas sérias, aos poucos o jogador vai conhecendo a personalidade de cada um. No final você vai conhecer cada um deles tão bem como se fossem seus amigos de infância.
  • Referências: Final Fantasy XV possui diversas referências a outros jogos da franquia e da própria Square Enix, além da própria opção de ouvir a trilha sonora dos outros games da série, Prompto pode cantarolar as famosas músicas de vitória e a dos chocobos. Existem outras referências como Cid, Biggs e Wedge, nomes de personagens sempre presentes na franquia. Os nomes nórdicos continuam presentes na série como Niflheim. FFXV também possui referência a Kingdom Hearts ao mencionar uma certa chave mágica que abre todas as portas.
  • Regalia: O carro é customizável e você pode fazer vários tipos de upgrades, fora ouvir músicas na rádio. Muitos diálogos acabam acontecendo dentro do próprio carro entre uma viagem e outra. O Regalia acaba se tornando mais um membro da equipe.
  • Chocobos: Você pode alugar chocobos caso não queira explorar os cenários a pé, mudar a cor deles e pendurar medalhas que você pode ganhar nas corridas. Quanto mais andar de chocobo, mais ele irá aumentar de nível trazendo vantagens para o grupo.
  • Fotografia: As fotos tiradas por Prompto é outro ponto alto do jogo. Quanto mais fotos ele tira mais seu nível de fotografia sobe e as fotos podem passar a ter filtro e moldura. Volto a repetir que o espaço de 150 fotos no álbum é muito pequeno para quantidade de fotos e lembranças da jornada.
  • História: FFXV possui uma excelente e emocionante história com acontecimentos e vilão dignos de outros jogos da franquia. Aconselho a terminar o jogo com uma caixa de lenço do lado.
  • Sistema de batalha: Os combates são bastante dinâmicos e você pode explorar as habilidades e armas de Noctis e dos seus amigos.
  • Cenários: FFXV possui paisagens belíssimas e entraria com certeza na lista de cenários de tirar o fôlego. Altissia lembra bastante Veneza com direito até a gôndolas. Você irá passar por pequenas cidades, hotéis, postos de gasolina, lanchonetes, resorts, rios, lagos, montanhas e cavernas. Cada região do mundo de Eos tem características próprias.

Pontos Negativos

Final Fantasy XV 2

  • Ritmo: Como quase todos os games de FF, existe um ritmo que pode ser considerado estranho. Existem capítulos que obrigatoriamente o jogador deve seguir a missão principal, áreas fechadas que só serão abertas depois que avançar mais no jogo. Mais para o final do game tem um capítulo que é excessivamente e desnecessariamente longo, enquanto outros capítulos são bem rápidos e poderiam ser melhor desenvolvidos. O jogo dá a sensação de andar bem devagar em certas horas e muito rápido em outras. De novo, se você está acostumado com o ritmo um pouco diferente da franquia, então não deve achar problemático.
  • Falta de desenvolvimento de personagens: Ao longo do jogo você é apresentado a vários personagens como Lunafreya e seu irmão Ravus, Iris (irmã de Gladiolus), Aranea, Ardyn, Iedolas, Cor Leonis, Cindy e seu avô Cid. Não vou entrar em detalhes sobre os personagens para não dar spoiler, mas alguns deles tinham potencial para serem melhor desenvolvidos ou simplesmente são esquecidos lá para o final do jogo. A ausência de certos personagens ou destino deles é explicado muito brevemente sem dar a importância merecida ao papel desenvolvido por eles ou o papel que eles poderiam desenvolver.
  • Furos no roteiro: A falta de importância dada a alguns personagens leva a alguns furos no roteiro do game. Alguns acontecimentos não são bem explicados ou não recebem explicação alguma, quanto mais chega ao final do jogo mais isso fica explícito. Exatamente como se a história do jogo ainda estivesse sendo desenvolvida ou sofresse alterações antes do lançamento.
  • Pouca representatividade feminina: As personagens femininas no jogo são Lunafreya, Iris, Gentiana, Aranea e Cindy. Duas deles entram na party temporariamente, mas não é o suficiente para suprir a falta de personagens femininas jogáveis. A amizade entre os quatro amigos é um dos pontos altos do jogo, mas será realmente não teria espaço para pelo menos uma mulher entre eles? A franquia é conhecida por ter personagens femininas jogáveis como Aerith (ou Aeris), Tifa, Yuffie, Terra, Lulu, Yuna, Rikku, Lightining, Serah, Celes, entre outras. Fora a excessiva e desnecessária sexualização de Cindy (não que não existam outras personagens femininas sexualizadas na franquia). FFXV peca com a falta de diversidade e representatividade feminina do jogo.
  • Poucas magias: O número de magias é bem pequeno e a franquia tem um enorme número de magias de cura, ataque e defesa. No XV existem apenas gelo, fogo e trovão. As magias precisam ser coletadas em determinados pontos do mapa e equipadas para a luta. Elas podem destruir os inimigos e ferir seus companheiros já que elas oferecem dano de área. Além do número bastante reduzido de magia, se você quiser não precisa utilizar. Dá para derrotar os inimigos utilizando outras técnicas. Trocar as armas para cada tipo de inimigo ou usar o modo estratégico acaba sendo uma alternativa muitas vezes melhor que usar magia.
  • Poucos summons e uso bastante limitado: O número de summons é bem pequeno se comparado a outros games da série e você não pode usá-los no momento que quiser. Existem condições para que cada summon possa ser ativado na batalha. Apesar de mais belos e poderosos é mais fácil você terminar a batalha sozinho do que depender da ajuda deles.

FF

Final Fantasy XV é perfeito? Não, não é. Mas levando em consideração que foi um game que demorou 10 anos para ser desenvolvido e que tinha tudo para dar errado devido a quantidade de mudanças que sofreu desde que se chamava Final Fantasy Versus XIII, o jogo é muito bom! Vale a pena jogar se você for de fã de JRPG ou da franquia. E ainda digo mais: merece ser jogado mais de uma vez para entender melhor a história ou explorar melhor os cenários. FFXV conseguiu cumprir a tarefa que o Final Fantasy XIII não conseguiu: apresentar uma história emocionante com reviravoltas, personagens carismáticos, um vilão digno da franquia e trilha sonora espetacular.

Assim que tiver condições emocionais pretendo jogar com mais calma novamente. Você termina FFXV com vontade de se tornar parte do grupo de Noctis, Gladiolus, Ignis e Prompto e sair por aí dirigindo o Regalia ao som da trilha sonora maravilhosa. Final Fantasy XV é um jogo sobre dever, perdas, sacrifícios, amor e amizade. Ao terminar FFXV você nunca mais ouvirá Stand By Me da mesma maneira.

Assista ao trailer de Final Fantasy XV:

Final Fantasy XV está disponível para Playstation 4 e Xbox One.

Quem escreve? Rany

Graduada em Jornalismo e Jogos Digitais e pós-graduada em Mídia Digitais. Fã incondicional de As Crônicas de Gelo e Fogo, Tolkien, Fables, Tarantino, Miyazaki, Okami, Dragon Age e Mass Effect. Divido meu tempo livre com os meus vícios em séries de tv, filmes, livros e games.