Hai to Gensou no Grimgar e o mundo do MMORPG

hai-to-gensou-no-grimgar-mmorpg-2

E se você de repente acordasse em um mundo completamente diferente?

A dica de anime de hoje é para quem curte RPG! Em estilo similar a Sword Art Online (clique para ler a resenha), Hai to Gensou no Grimgar  nos promete uma viagem e tanto pelo mundo do MMORPG. O anime, também conhecido como Grimgar of Fantasy and Ash, Grimgar Ashes and Illusion, escrito por Ao Jūmonji e dirigido pela A-1 Pictures, baseado em uma novel de dois volumes de nome Grimgar, narra uma linda e árdua história de fantasia. De repente, algumas pessoas da cidade começam a desaparecer… e aparecer em um mundo mágico, sem nenhuma memória do seu passado. O que é aquele mundo? Como sobreviver? Esses são os maiores dilemas.

Diferente do famoso precursor do gênero, Hai to Gensou no Grimgar mostra um mundo bem realista logo no início do anime, sem sistemas de níveis ou barras de vida/mana. Desta vez, para ganhar dinheiro e sobreviver, os personagens se juntam para enfrentar criaturas na floresta. Depois de arrumar recursos (e embora eles precisem constantemente arrecadar mais), eles focam em tentar sair daquele mundo – ou, ao menos, descobrir como foram parar lá e o que aconteceu no passado de cada um.

hai-to-gensou-no-grimgar-mmorpg-1

Análise Técnica

É um fato que a novel tem um enfoque diferente do anime: enquanto a primeira foca na aventura e menos no slice of life, o último faz o contrário. O motivo? Segundo o diretor do anime, a intenção era deixar ele mais relaxante e agradável de assistir. Inclusive, o primeiro livro foi adaptado em oito episódios, e o segundo, em quatro.

hai-to-gensou-no-grimgar-mmorpg-3

Sim, o anime tem apenas 12 episódios, o que eu sou tendenciosa a ~~criticar. É claro que a produção de anime demanda muito dinheiro, mas o anime tinha tanto potencial para se desenvolver, tendo em vista a densidade com que foi tratado o assunto na novel 🙁 Também acredito que se os doze episódios fossem divididos em seis para cada livro, talvez o enredo fosse melhor aproveitado, até mesmo porque momentos emocionantes do volume dois foram deixados de lado.

Em compensação, os personagens são muito bem desenvolvidos, com destaque para o protagonista, com a difícil tarefa de superar perdas e tornar-se um líder para o grupo diante de um cenário de caos. No entanto, o foco acaba sendo tão grande nessa inexperiência dos personagens que as lutas acabam perdendo um pouco a emoção. 🙁

hai-to-gensou-no-grimgar-mmorpg

E falando em inexperiência… Vamos falar das lutas, afinal, é um grande pilar do anime. A princípio, as lutas são tridimensionais, mostrando cada personagem com sua função, atacando as criaturas simultaneamente. Entretanto, com o passar do anime, as lutas passam a ser unidimensionais, mas não deixam de perder a beleza dos movimentos.

E, por incrível que pareça, o ponto mais forte do anime é o visual. Algumas cenas parecem até quadros pintados à mão, de tão perfeitos e precisos que são os traços.  Deem uma olhada:

Outro ponto de destaque é trilha sonora, que é bem diferenciada, já que durante os episódios são utilizadas músicas cantadas em vez das típicas instrumentais. Achei uma técnica bem interessante. Por mais que alguns digam que tire um pouco a atenção da cena, discordo. Acredito, inclusive, que isso configure um pouco mais de emoção.

Vale a pena?

Por mais que eu tenha criticado um pouco a direção, acho que vale a pena assistir o anime, inclusive porque ele realmente traz uma inovação bem grande para os animes do gênero MMORPG, tanto na trama, quanto na arte e trilha sonora. Também gostaria de ressaltar que não é tão semelhante ao anime Sword Art Online, porque os focos divergem muito. A história é realmente bem emocionante, recomendo 😀

Gostou? Você pode assistir online aqui e baixar aqui.

A novel está disponível para leitura aqui. (Recomendo! Várias cenas foram deixadas de lado no anime)

Quem escreve? Mindy (Yasmim Alvarez)

Cosplayer e graduanda em Direito. Amante de World of Warcraft e Ragnarok, invencível no Super SmashBros, Batman-lover e fã de carteirinha da Princesa Zelda. Queria ser a toda-poderosa Sailor Moon (ou até mesmo a Princess Serenity) mas se contenta com a forma comum da Usagi.