Guia básico sobre o universo das FANFICS!

capa

Fanfiction/fanfic/fic, não importa como você chama, o importante é que se você ainda não conhece ou não gosta, você deveria dar uma chance e mergulhar nesse universo.

O que é uma fanfic?

Fanfic é uma história de ficção criada por fãs que se baseia em algum tipo de universo, obra original ou até mesmo pessoas de verdade, podendo ser atores, bandas, filmes, séries, mangás, HQs, games, enfim, qualquer coisa que o fã em questão queira. Não existem limites para as fanfics, já que elas englobam tudo que inclui criações paralelas de fãs – e você tem a liberdade para ser fã de qualquer coisa que você desejar. E é exatamente isso que faz as fanfics serem tão legais.

Fanfic: porque a história não acabou até que a gente diga que acabou.

Fanfic: porque a história não acabou até que a gente diga que acabou.

Tipos de fanfics

Bem, aí entramos em assunto complicado, porque existem tantos tipos, que eu acho que eu jamais conseguiria listar tudo. Mas vamos definir um basicão aqui só pra situar aqueles que não conhecem e estão mais perdidos que cachorro em dia de mudança.
Pessoalmente, eu começaria dividindo as fanfics em dois tipos mais globais: interativas e não-interativas.

Mas o que seria uma fanfic interativa?

Uma fanfic interativa nada mais é do que uma história que dá ao leitor a oportunidade de escolher os nomes dos personagens, inclusive podendo ser o próprio leitor um dos personagens.
Dentro das fanfics interativas, ainda temos dois tipos principais: aquelas onde com algumas poucas linhas de java script o autor dá ao leitor a capacidade imediata de escolha dos nomes das personagens, e as fanfics de fichas, onde os autores abrem inscrições para que as pessoas possam inscrever seus personagens para que eles participem daquela história.

Agora acho que ficou bem fácil concluir o que são as fanfics não-interativas, certo?!

As não-interativas, como o nome diz, não possuem a participação direta do leitor e todos os personagens e enredo são definidos unicamente pelo autor.

À partir daí, nós poderíamos listar um monte de categorias de fanfics, definindo diversos tipos, mas isso é muito difícil, então vou me limitar apenas à comentar alguns para ilustrar.
Um tipo de fanfic muito popular em quase todos os fandons, sem dúvida, é o yaoi – mesmo o termo sendo originalmente designado para obras japonesas, no universo das fanfics qualquer relação entre dois homens é geralmente classificada como yaoi. Outra categoria que tem se popularizado muito são as fanfics restritas (ou +18), que são histórias que não necessariamente apresentam conteúdo sexual explícito, mas podem também conter violência excessiva, drogas, etc… A classificação funciona mais ou menos como a da TV e dos games.

“Então só existe fanfic gay e pornô?”

Não, não, meu querido(a). Existe fanfic de todos os tipos, eu só citei essas por serem as que eu vejo como as mais populares, mas tem muita fanfic romantica, dramática, etc.. Tem de tudo, literalmente. De temas sérios a histórias cômicas, você vai encontrar absolutamente tudo.

Fanfic com Dumbledore e Snape? Tem sim senhor.

Fanfic com Dumbledore e Snape? Tem sim senhor.

“Mas fanfic é coisa de criança/adolescente…”

Aí é que você se engana! Fanfics são para qualquer idade. Talvez pelo fato de serem baseadas em universos já existentes, que muitas vezes são erroneamente classificados como “coisas que não são de adultos”, fanfics acabam sofrendo um preconceito enorme e são consideradas “coisas de criança” – confesso que eu mesma já tive esse preconceito – mas a verdade é que fanfic é uma história como qualquer outra e na verdade pode até (e eu vou mostrar isso mais pra frente) virar um livro.

E os direitos autorais?

Normalmente fanfics são escritas sem fins lucrativos, afinal de contas são histórias de fãs para fãs, e o objetivo (na maioria das vezes, até onde me consta) não é ferir o autor original do universo onde ela se baseia (ou até mesmo as pessoas reais, no caso de fanfics baseadas em celebridades).
Algumas pessoas entendem isso e aceitam, porém, nem todos.
J. K. Rowling, por exemplo, aceita fanfics baseadas em suas obras, contato que elas não apresentem conteúdo sexual explícito e/ou racismo, que deixe claro que seu nome não está vinculado àquela história e que não seja um trabalho que vise lucro¹.
Enquanto isso, George R.R. Martin se posiciona completamente contra as fanfics. Segundo o autor, escrever uma fanfic usando personagens já existentes é uma forma preguiçosa de se escrever uma história².

Peraí então quer dizer que eu não posso mais escrever fanfics por que o George Martin não deixa?

Calma aí colega! Não é assim que as coisas funcionam. O George Martin não gosta que os personagens dele sejam usados em fanfics, pois segundo ele, são como os filhos dele e ele não quer ver seus filhos sendo usados, então, nada mais justo que respeitar a vontade dele e não escrever fanfics de Game of Thrones. Porém, como eu já citei, a J. K. Rowling não se importa e inclusive já disse que se as histórias forem spin-offs inocentes criados por fãs, ela não tem absolutamente nada contra.

Então sim, você pode escrever, basta respeitar os desejos dos criadores originais.

Qualidade de livro…

Hoje em dia com a internet mais acessível, as fanfics tem se tornado muito mais precisas e, digamos, luxuosas. Muitos autores tem o cuidado de pesquisar para tornar suas histórias mais próximas da realidade (ou não). Além disso, a qualidade, inclusive da escrita, tem aumentado bastante, já que os corretores estão cada vez melhores e com uma rápida pesquisa no Google é possível tirar muitas dúvidas e aprender regras gramaticais já esquecidas.
É claro que isso não é uma regra. Nem todas as fanfics que estão na internet serão maravilhosas e, algumas, na verdade, são propositalmente ruins (justamente para apontar os erros cometidos constantemente). Mas não é difícil achar textos excelentes, com escritas impecáveis e enredos envolventes.

Algumas fanfics tem versões impressas feitas por fãs (sem fins luvrativos, claro) ³

Algumas fanfics tem versões impressas feitas por fãs (sem fins lucrativos, claro) ³

Fanfics x Livros

Como eu já expliquei ali em cima, exceto pelo fato de fanfics usarem personagens já existentes, de resto, as histórias, muitas vezes, não perdem em nada para os livros. Na verdade, às vezes, essas histórias acabam virando livros.
Bons exemplos disso são Cinquenta Tons de Cinza (que inicialmente era uma fanfic de Crepúsculo), Cretino Irresistível (também baseado em fanfic de Crepúsculo), After – Depois da esperança (baseado em uma fanfic de One Direction) e é claro, a brasileiríssima, Sábado à Noite (baseado em uma fanfic de McFly).

E é claro que não poderíamos deixar de chamar a Babi Dewet, autora de Sábado à Noite, para colaborar com esse texto:

“Eu comecei a ler fanfics há quinze anos atrás porque queria conversar e conhecer pessoas que tivessem lido Harry Potter, como eu. Acabei conhecendo fóruns de RPG e as famosas histórias escritas por fãs, que foi o que mudou minha vida. Me fez começar a escrever para as outras pessoas e não só pra mim mesma, e me ajudou a ter mais confiança no que eu criava. Como eu comecei ainda tímida, usei um nickname, que é algo bem legal pra quem está incerto de como as pessoas vão reagir e tudo mais. É normal ter medo. Logo depois mudei para o meu nome verdadeiro, quando me acostumei com o que estava escrevendo e pra quem estava escrevendo. As fanfics foram muito importantes nessa fase de descobrimento, tanto do meu estilo de escrita, quanto do meu público alvo e até da minha habilidade de lidar com críticas. Sempre indico para escritores novatos e que não sabem por onde começar.
Das fanfics de Harry Potter migrei para as de bandas e coisas que gostava, o que é natural, até as fanfics interativas, que começamos no Fanfic Addiction. Foi o primeiro site interativo do Brasil e isso foi muito divertido. Sábado à Noite, que acabou se tornando meu primeiro livro, foi escrito lá. E foi uma das coisas que mais tive dificuldade quando passei da escrita informal das fanfics para a mais descritiva dos livros, até porque nas interativas as pessoas criavam os próprios personagens usando seus próprios nomes. Nos livros os personagens precisavam existir por completo e foi um aprendizado enorme!
Em 2009 acabei decidindo lançar SAN (Sábado a Noite) como livro independente e foi outra fase muito importante da vida de escritora. Mas foi o mundo das fanfics que me ensinou a escrever. E as pessoas à minha volta nunca entendiam como ficar horas no computador era algo positivo. Ainda hoje muita gente não sabe do poder que a internet tem, inclusive para a leitura e criatividade! Por isso sempre visto a camisa das fanfics e de como elas são um enorme aprendizado, pra quem lê e escreve. É um universo enorme, aberto e livre, com milhões de possibilidades e que aceita quem nós somos e o que gostamos. Não tem como ser melhor.”

Trilogia Sábado a Noite

Trilogia Sábado a Noite

E então, vamos expandir nosso universo?

Nunca é tarde para mudar de opinião, eu mesma confesso que estou constantemente mudando minha forma de enxergar determinados temas, e fanfic com certeza é um deles. Não existe idade pra ler, muito menos regras, então dê uma chance para a sua criatividade e alimente a sua curiosidade.

Agora…

Sabe aquela série MA-RA-VI-LHO-SA que você ODIOU o final? Então, já pensou em ir procurar fanfics com finais alternativos?
Ou então, aquele livro sensacional, que deixou a história de um personagem secundário que era O MÁXIMO em segundo plano? Dá uma pesquisada no Google, quem sabe você não acha uma história com ele…
E aquelas noites em que você não conseguia dormir, porque você achava que aquele filme deveria ter sido de outro jeito? Já pensou em colocar isso no papel? Quem sabe outros fãs não se interessam por isso também?!

gif justin bieber

Agradecimentos: não posso deixar de agradecer à Aline Aoki, que fez uma revisão no texto e me ajudou a não escorrer o pé na jaca e falar besteira (demais) e também à Babi Dewet, que mandou esse texto para colaborar com o post. Obrigada meninas.

¹ informações retiradas daqui
² informações retiradas daqui
³ foto do livro da Endless Delirium, do projeto Book of Fanfics

Quem escreve? Nah

Amo Resident Evil incondicionalmente, mas tenho quedas absurdas por Tomb Raider. Assisto séries e animes como se não houvesse vida além disso. Gosto de k/c/j-pop/rock e ~metal~. Sou brega, chata, leio fanfic com idol asiático e durmo com meias de lã o ano todo.