Que tal renovar a sua lista de jogos com essas dicas?

Admita: você já teve vontade de jogar jogos de horror, mas morre de medo? Ou curte o gênero, mas sente falta de narrativas com toque artístico e experimental, sem tantos jumpscares baratos? Então talvez os títulos abaixo sejam para você!

Year Walk

Year Walk é um jogo desenvolvido pelo estúdio sueco Simogo. Foi elaborado inicialmente como um jogo mobile, tendo assim funcionalidades e movimentação de câmera baseadas em horizontalidade e touch screen.

É uma mistura de puzzle, point-and-click e suspense, baseado na lenda sueca do årsgång, uma prática divinatória em que se era possível ter vislumbres do futuro através de uma caminhada profética durante algumas datas especiais, como Natal e Ano Novo. Em Year Walk, acompanhamos a årsgång de Daniel Svensson, um jovem que busca uma revelação sobre o futuro com sua amada.

Espíritos macabros, bonecas e criaturas mitológicas, como a Huldra, fazem parte dos encontros de Daniel durante sua peregrinação. O jogo agradou mesmo aqueles que não se consideram fãs de horror pela excelente história, bons desafios e trilha sonora marcante.

Year Walk ainda conta com uma enciclopédia que explica as tradições e criaturas folclóricas citadas no jogo..

Plataformas: iOS, PC e Linux.

Detention

Mais um point-and-click de terror. Desta vez trata-se de Detention, desenvolvido em 2017, pela Red Candle Games (Taiwan).

A história se passa na década de 1960 durante o período da lei marcial em Taiwan, em que o país se encontrava em confronto direto com a China. E esse é o ponto central do enredo, que vivenciamos através da história de Rey, uma colegial presa em sua escola durante a passagem de um tufão. A partir, daí diversas situações sobrenaturais passam a ocorrer – todas fundamentadas em elementos das mitologias chinesa e taiwanesa, e conectadas ao momento de terror que o país se encontrava.

Detention foi avaliado como o 2º melhor jogo de PC de 2017 pela Metacritic, perdendo apenas para Resident Evil 7: Biohazard (um “titã” no gênero de horror). Também foi indicado nas categorias de melhor jogo e melhor áudio na indiePlay.

Uma belíssima e triste narrativa baseada em metáforas, escolhas e reflexões.

Plataformas: PS4, PC, Linux, Nintendo Switch.

Fran Bow

É, parece que os point-and-click são bem populares entre os jogos indie de horror. Em Fran Bow, vivemos a história de Fran, uma garotinha perturbada pela morte trágica de seus pais, e acometida por um terrível distúrbio mental. Internada em um hospital psiquiátrico, Fran começa a ter visões de outra realidade ao tomar suas pílulas. O jogo envolve intercalar essas realidades enquanto se examina e interage com os objetos do cenário, solucionando seus diversos enigmas.

Dividida em cinco capítulos, a narrativa foi classificada como um mix de Alice no País das Maravilhas, Stephen King e contos de fada, no maior estilo creepy & cute.

Fran Bow foi o primeiro projeto do estúdio Killmonday Games, formado pelo casal Natalia Figueroa e Isak Martinsson, responsáveis pela arte, direção, roteiro, animação, programação e trilha sonora do game (!).

O destaque fica para a arte de Natalia, que soube misturar perfeitamente os elementos perturbadores da mente de Fran, juntamente com o universo fantástico da infância e das múltiplas realidades encontradas.

Uma continuação do jogo foi anunciada em fevereiro deste ano, ainda sem data de lançamento.

Plataformas: PC, Linux, Android e iOS.

Mad Father

Por fim, temos Mad Father, um RPG e survival horror produzido via Wolf RPG Editor (simular ao RPG Maker) pela desenvolvedora japonesa Sen.

É um jogo bastante popular entre fãs de animes mais gore, tanto pelo traço característico, quanto pela junção de elementos kawaii com terror explícito. Sim, apesar de fofinho, é um jogo bastante sangrento.

Um pouquinho do que esperar da história: a protagonista é Aya, uma menina de 10 anos que vive em uma mansão na Alemanha. Lá, convive com seu pai, um cientista que faz experimentos terríveis em um laboratório (sacou o nome do jogo, né?). A mãe de Aya já faleceu, e justamente no dia do seu aniversário de sua morte, uma maldição faz com que os experimentos do laboratório fujam e persigam Aya pela mansão.

Assim começa uma aventura de sobrevivência, com diversos mistérios a serem decifrados. A trilha sonora é fenomenal, composta em piano, e o jogo tem um fator de replay excelente, contendo três finais bem diferentes.

É um jogo divertido, com pequenos elementos de sobrevivência, puzzles e aventura, e o melhor: gratuito para jogar.

Plataformas: PC

E aí, já jogou algum desses jogos? Tem mais algum título para compartilhar? Escreva pra gente!

Compartilhe: