Festival de música exclusivo para mulheres busca maior segurança

bravalla-festival-música-cancelado-assédio-evento-música-somente-mulheres

A solução pode vir de diversas formas!

Não é novidade para ninguém que existe, sim, muito abuso sexual em festivais de música e shows. Em 2016, no festival sueco chamado Putte i Parken, trinta e cinco mulheres apontaram ocorrências de assédio sexual. Ainda, recentemente, a edição do Bravalla de 2018, na Suécia, foi cancelada por causa de quatro estupros e vinte e três casos de violência sexual registrados na edição deste ano.

Pensando na situação, a comediante e apresentadora de rádio Emma Knyckare lançou uma ideia:

"Que tal fazer um festival muito legal onde apenas não-homens sejam bem-vindos até que todos homens aprendam a se comportar?"

Que tal fazer um festival muito legal onde apenas não-homens sejam bem-vindos até que todos os homens aprendam a se comportar?”

Em entrevista ao jornal sueco Aftonbladet, ela declarou que “Já que parece OK discriminar mulheres o tempo inteiro, talvez também seja OK proibir homens por três dias“. Ela avisou, ainda, que em breve se reunirá com o grupo de organizadores e promotores para adequar o evento nestes moldes.

Segundo  a FKP Scorpio, a organizadora do festival, a queda nas vendas de ingressos tem relação direta com as ocorrências de estupro abuso sexual: a edição de 2016 vendeu 52 mil ingressos, enquanto a de 2017 teve apenas 45 mil ingressos vendidos. Os organizadores do evento lançaram uma nota lamentando os acontecimentos envolvendo violência sexual na última edição do festival e comunicando a decisão:

Alguns homens… aparentemente não sabem se comportar. É uma vergonha. Assim, decidimos cancelar o Bråvalla 2018.

A banda Mumford and Sons também declarou que só voltará a se apresentar quando a segurança para todas as mulheres for garantida.

A discussão sobre a quantidade de assédios, abusos e estupros é algo estritamente necessário, já que costuma ser minimizado como algo que “faz parte”, já que a pessoa teria “se sujeitado a ir a um lugar em que isso acontece com frequência”. É importante frisar que isso é algo que não deveria acontecer, em hipótese alguma, e que a vítima jamais deve ser culpabilizada, especialmente por querer ir a um festival de música curtir os shows.

O que acharam da iniciativa? Conta pra gente nos comentários x)

Quem escreve? Mindy (Yasmim Alvarez)

Cosplayer e graduanda em Direito. Amante de World of Warcraft e Ragnarok, invencível no Super SmashBros, Batman-lover e fã de carteirinha da Princesa Zelda. Queria ser a toda-poderosa Sailor Moon (ou até mesmo a Princess Serenity) mas se contenta com a forma comum da Usagi.