Muito amor pela Anne <3

Lançada na última sexta-feira (12 de maio), a nova série original da Netflix em parceria com a CBC está derretendo corações e dividindo opiniões. Baseada no livro da escritora canadense Lucy Maud Montgomery, Anne of Green Gables (ou Anne Shirley, título mais conhecido no Brasil) narra o crescimento e as aventuras de Anne Shirley, uma menina órfã enviada, por engano, para a fazenda dos irmãos Matthew e Marilla Cuthbert, que cuidam dela durante boa parte de sua vida.

Desde sua publicação, Anne of Green Gables já vendeu mais de cinquenta milhões de cópias e foi traduzido para 20 línguas. A obra também foi adaptada em filmes (feitos para o cinema e televisão), desenhos animados, live actions e peças musicais com turnês pelo Canadá, Estados Unidos, Europa e Japão.

O enredo de Anne With an E na Netflix não se difere em muito do livro: Marilla e Matthew Cuthbert, irmãos solteiros que vivem na fictícia comunidade de Avonlea na Ilha do Príncipe Eduardo, decidem adotar um menino para ajudá-los com a fazenda de Green Gables. Por causa de um mal-entendido, a órfã Anne Shirley é mandada, após ter passado a infância traumática em orfanatos e casas de estranhos. Matthew decide então levar Anne para Green Gables de qualquer maneira, para que Marilla decida o que fazer com a jovem menina tagarela, que durante o caminho não parava de falar sobre o quanto estava feliz por ter um novo lar.

anne-with-an-e-cast

Anne é descrita como esperta, extrovertida e muito imaginativa. Inicialmente, Marilla diz que a garota voltará ao orfanato, mas acaba resolvendo que ela deve ficar. A história conta sobre as aventuras e desventuras de Anne: sobre a difícil aceitação no ambiente escolar; a amizade com Diana Barry; suas ambições literárias; sua rivalidade com o colega de classe Gilbert Blythe; brincadeiras com as amigas (Diana, Jane Andrews e Ruby Gillis); seus confrontos com as desagradáveis irmãs Pye e outras situações.

Anne
Anne, daquelas crianças que te dão a rara vontade de abraçar e proteger de tudo <3

Pessoalmente falando, como alguém que tinha somente ouvido falar bem do livro porém sem nunca me aventurar a ler, achei a história maravilhosa. Aos vinte minutos do primeiro episódio, eu já estava aos prantos! A história trata sobre vários assuntos de extrema importância, como por exemplo a emancipação feminina e os primeiros movimentos que questionavam porque a educação das meninas não era de igual importância que a de meninos – assim como vários assuntos delicados também, como o preconceito americano com pessoas ruivas, o preconceito da sociedade vigente com a adoção, o bullying, o abuso sexual, a violência infantil e questões de identidade.

Apesar do descontentamento de alguns dos fãs do livro (algo que nunca vai ser novidade), acredito que as pessoas deveriam dar uma chance de assistir ao menos um pouco antes de tirar conclusões precipitadas – principalmente porque é visível o esforço das produtoras em fazer com que a série ficasse à altura da história original – ainda que focando em detalhes que não se resumam apenas aos brilhos e alegrias que uma infância tende a ter. Especialmente considerando que esses detalhes são de alta validade na nossa sociedade atual. Além disso, a ambientação da série é de tirar o fôlego…

Anne

…a trilha sonora é linda e a atuação dos personagens (especialmente os mirins) é admirável. Os efeitos da abertura são super apaixonantes e cheios de significados intrínsecos, como detalhes da personalidade da protagonista ou simbolizações e representações de toda a história de Anne:

Lindo, né? Eu sentia aperto no peito de ter de pular a abertura algumas vezes, mas culpo minha curiosidade de saber logo o resto da história, haha!

O trailer vocês veem a seguir:

Esta temporada tem sete episódios de mais ou menos 50 minutos cada. Já há murmúrios sobre a segunda sendo feita.

Recomendo muito! Vocês vão se apaixonar pela Anne <3

Compartilhe: