Dica de anime: Kujisuna – um dos shoujos mais bonitos que você vai ver

Kujira-capa

Kujisuna ou, em título original, Kujira no Kora wa Sajou ni Utau é um dos animes mais esperados da atual temporada de 2017. Seu título traduzido foi Children of the Whales, Tales of the Wales Calves ou Whale Calves Sing on the Sand – em português: Crianças das Baleias, Contos dos Filhos das Baleias ou Filhos das Baleias Cantam na Areia.

O mangá original é de autoria da Abi Umeda, publicado na revista Mystery Bonita desde 2013, com nove volumes e história ainda em andamento. Ele foi inclusive um dos indicados ao Prêmio Cultural Osamu Tezuka deste ano.

kujisuna

Gêneros: Ficção Científica / Mistério / Drama / Fantasia / Shoujo

Ano de lançamento: 2017

Estúdio: J.C. Staff

Sinopse: Chakuro é o arquivista de 14 anos da Baleia de Lama, uma ilha quase utópica que flutua na superfície de um infinito mar de areia.

mud whale

Nove em dez dos habitantes da Baleia foram abençoados e ao mesmo tempo amaldiçoados com a capacidade de usar a thymia, uma magia que concede poderes e habilidades especiais mas que os condenam a uma morte precoce – geralmente aos vinte anos de idade. Até então, Chakuro e seus amigos já haviam estado em outras ilhas, mas nunca conheceram, viram ou nem mesmo ouviram falar de humanos que não eles próprios. Um dia, no entanto, Chakuro visita uma ilha tão grande como a Baleia de Lama e lá encontra uma menina que mudará seu destino.

Trailer:

RESENHA:

Arte (10/10): A primeira coisa que queria mencionar sobre ele é a beleza do desenho e da paleta de cores. As cores são sempre bem suaves, tons pastéis, dão uma conotação mais inocente e pura para os personagens protagonistas. Os antagonistas, por sua vez, sempre aparecem com cores mais fortes – achei isso bem interessante. Além disso, as cores também dirigem bem as emoções que os expectadores devem sentir: temas tristes levam a ambientes em azul marinho, temas mais alegres vão de um rosa alaranjado até todas as cores do arco-íris. É simplesmente lindo de assistir.

Os traços dos personagens e dos cenários são todos super delicados, super detalhados e muito bonitos. Mesmo antes da temporada ser lançada, foram esses traços que me deixaram super animada para poder acompanhar o anime. A fidelização ao estilo de arte da Umeda Abi me deixou bem satisfeita também.

Som (10/10): A segunda coisa que queria mencionar é a música maravilhosa do anime. Muita gente não presta muita atenção nesse tipo de detalhe, mas eu estou completamente apaixonada pela OST inteira sem nem ter tido acesso ao CD ainda. É o tipo de OST que eu definitivamente tenho o interesse de adquirir pra minha coleção.

E a ending theme!

Ai minha DEUSA, eu amo essa música. A voz da cantora é simplesmente angelical, sempre me faz arrepiar. A letra da música é muito bonitinha e toda praticamente sussurrada, harmonizando bastante com o tom suave que o anime passa, a ideia do angelical e do puro – e da tristeza, claro.

Capa da Opening.

Capa da Opening.

História (9/10): A história é um pouco nebulosa a princípio e vai sendo construída aos poucos, como um quebra-cabeça. Até o presente momento, dei nota 9 porque ainda não sei o final. Espero que ela continue me surpreendendo positivamente mas de qualquer forma vale sim essa nota porque é o tipo de enredo que você normalmente espera de um mangá shounen, uma aventura cheia de reviravoltas trágicas e até mesmo violentas. O tema principal é diferenciado e bem ousado (não diria revolucionário, mas com certeza é inovador em vários aspectos), prende o telespectador na trama.

Personagens (8/10): Os personagens seguem um caminho parecido da história: são todos pouco desenvolvidos. A história se foca em Chakuro, o narrador, mas ela explora um pouco de vários outros personagens, então acaba sobrando pouco espaço para um desenvolvimento mais profundo. O telespectador sabe os nomes dos personagens, se são humanos comuns ou controladores da thymia e em alguns casos, um pouco do passado de um ou outro personagem. Mas ainda assim, as emoções de cada um deles – ou a falta delas – são tão bem trabalhadas que também te emociona. Novamente, espero continuar sendo surpreendida positivamente nesse sentido. Ok, eu posso estar sendo parcial aqui porque simplesmente adoro o design deles, mas não tem como você assistir essa série e não querer abraçar o Chakuro e protegê-lo de toda a maldade do mundo. Os protagonistas são todos absurdamente adoráveis.

Comentários pessoais finais: Eu adoro tudo sobre esse anime. É provavelmente um dos shoujos mais interessantes e bem feitos que já vi. Eu estava ansiosa para poder assisti-lo e agora sinto que todas as minhas expectativas estão sendo muito bem cumpridas. E ainda estou sendo surpreendida! De forma geral, estou me divertindo bastante e me emocionando bastante também. Adoro mesmo essas histórias “bobinhas” e delicadas envolvendo sentimentos humanos, tematizando a liberdade individual, o valor da vida e da amizade.

Essa história é um shoujo de raiz! Então, se você gosta do gênero, com certeza vai curtir.

Bom divertimento pra vocês também! C;

Quem escreve? Liao

Débora é musicista, pesquisadora e otaku (não fedida, prometo). 1/3 gamer, 100% sonserina. A alcunha de Liao veio de um site aleatório de geração de nomes japoneses (Liao é chinês, mas tudo bem).