Triste e tocante!

A CD Projekt Red não costuma ir atrás de celebridades para dublagem de personagens. Eles escalaram Charles Dance como o imperador Nilfgaardiano Emhyr var Emreis em The Witcher 3: Wild Hunt, e ele trouxe o tom ameaçador da realeza ao papel, assim como ao interpretar Tywin Lannister em Game of Thrones, mas essa foi a exceção à regra.

Escalar Keanu Reaves como Johnny Silverhand em Cyberpunk 2077 traz algo similar ao jogo. Silverhand é um personagem amado que inspira adoração – durante a breve apresentação do sistema de criação de personagens da demo, ele estava listado entre os heróis de infância que você poderia escolher.

E aquela marcante reação do público quando Keanu entrou no palco da E3? “You’re breathtaking!”? Essa é exatamente a forma como as pessoas do mundo de Cyberpunk 2077 reagem a Johnny Silverhand.

Você inclusive pode colocar o Jhonny como seu herói de infância!

Mas muitas pessoas não conhecem a história do personagem. Johnny Silverhand existe desde a primeira impressão do livro de regras de Cyberpunk, lançado em 1988, em que aparece como personagem central de uma história curta e aventura introdutória intitulada “Never Fade Away” (“Nunca desaparece”, em tradução livre). Sua história de fundo conta que ele era um soldado no Segundo Conflito Central Americano – e você pode ver o pingente militar no pescoço de Keanu no trailer – uma guerra em que os Estados Unidos fizeram experimentos com seus próprios soldados, utilizando drogas para alterar o desempenho em combate e arriscados procedimentos de implantes cibernéticos. Johnny desertou, criando uma nova identidade para si e se mudando para Night City.

Lá ele encontrou um ex-soldado chamado Kerry Eurodyne e juntos eles formaram uma banda chamada Samurai. Após alguns anos tocando nos bares e clubes de Night City, eles assinaram com a Universal, e o single da banda, “Blistering Love” se tornou a música mais tocada na EuroRadio, fazendo com que a banda se tornasse uma das mais famosas do mundo. Samurai ainda tem fãs, mesmo em 2077, já que a jaqueta que V usa tem o logo da banda, cerca de 69 anos após o fim da banda em 2008.

No jogo de tabuleiro, Estrela do Rock é um dos papéis que os jogadores podem escolher, de forma similar às classes de D&D. Eles são rebeldes carismáticos que usam sua música para inspirar mudanças políticas e revoluções. A música de Johnny se tornou explicitamente política após o fim da banda, quando uma gravadora rival descobriu a verdade sobre sua deserção e tentou extorqui-lo a assinar com ela. Ele então veio a público e revelou seu passado, lançado um álbum solo intitulado “SINS of your brothers” (PECADOS dos seus irmãos, em tradução livre), que contava suas experiências como soldado. Isso fez com que o governo tivesse de assumir as atrocidades cometidas durante a guerra, e a repercussão o tornou ainda mais famoso.

Um anúncio para um dos álbuns de Johnny, disponível em “lojas de vídeo, CD e chipware”.

Em 2012, Alt Cunningham, uma programadora de redes e namorada de Johnny, foi sequestrada pela Arasaka Corporation. Ela havia desenvolvido um programa chamado Soulkiller, que era capaz de digitalizar a mente das pessoas e transferi-la entre corpos. E a Arasaka queria que ela criasse uma nova versão do programa para eles.

Johnny reuniu um grupo de Edgerunners, os cyberpunks de Cyberpunk 2020 para resgatá-la. Como distração, ele reuniu a antiga banda e organizou um show gratuito no parque em frente ao prédio central da Arasaka. No meio do show, ele liderou a multidão em direção ao prédio, fazendo com que um dos guardas ficasse nervoso e abrisse fogo, resultando em uma revolta. Durante o caos, Johnny e sua equipe conseguiram forçar sua entrada no local, mas apenas encontraram o corpo de Alt. Johnny então resolveu levar seu corpo de volta.

Ele não sabia, porém, que Alt havia enviado sua própria consciência para os computadores do prédio, usando o Soulkiller, e que estava invertendo as defesas do lugar para atacar os seus sequestradores. O plano da garota era então retornar ao seu corpo e fugir. E essa foi a virada trágica: a interferência de Johnny a deixou presa no servidor, como um fantasma habitando a máquina. Além de tudo, Keanu é tão ligado ao meme de “Sad Keanu” hoje em dia, por causa de suas próprias tragédias pessoais, que não é difícil ver alguma simetria nesse ponto.

Alt Cunningham, outra dos personagens icônicos do jogo original.

Johnny apareceu novamente no livro final da linha Cyberpunk 2020, que se passava no ano 2024, durante a Quarta Guerra Corporativa. Johnny buscava vingança contra a Arasaka após descobrir que Alt havia sobrevivido como uma inteligência artificial em posse da empresa, e que havia sido forçada a desenvolver o programa Soulkiller v3.0 para eles. Novamente, Johnny liderou uma equipe de Edgerunners em uma invasão ao território da Arasaka, mas foi capturado pelas forças de segurança que eram lideradas por um ciborgue chamado Adam Smasher.

Johnny se lançou como uma distração, permitindo que a programadora da sua equipe, Spider Murphy, tivesse tempo para resgatar Alt e lançá-la na rede. Smasher atirou em Johnny com uma shotgun automática, partindo-o ao meio. E para garantir que ele estivesse definitivamente morto, o vilão ainda explodiu uma arma nuclear no prédio, reduzindo ele e boa parte de Night City a destroços radioativos (possivelmente um problema que será abordado em Cyberpunk 2077).

RIP Johnny…

Obviamente, Johnny está de volta na época do jogo, décadas depois. Como o trailer do jogo já demonstrou, ele não é completamente real. O personagem é uma digitalização que vive em um chip dentro da cabeça de V. E isso apresenta uma das mais intrigantes possibilidades – e para isso vale ler a descrição do programa Soulkiller no livro de regras de Cyberpunk 2020:

O Soulkiller original foi criado como uma matriz para conter personalidades artificiais. Ela havia estudado o conceito e trabalhado os parâmetros para criar uma matriz de armazenamento. E ela ficou fascinada ao descobrir que a mesma matriz poderia conter engramas de pessoas vivas; transferi-las do computador para o corpo e vice-versa. Isso era a imortalidade.

Podemos presumir que Johnny foi enviado para o chip via Soulkiller em algum momento antes da morte de seu corpo, o que explicaria como ele ainda está vivo em 2077. Alt também deve estar em algum lugar por aí. E se Johnny conseguiu sobreviver como um fantasma em um chip no cérebro que guarda o segredo para a imortalidade, essa parece a desculpa perfeita para que toda a Night City esteja atrás dessa tecnologia e, por consequência, atrás de nosso protagonista.


Fonte: PC Gamer

Leia mais sobre Cyberpunk 2077 aqui no site!

Compartilhe: