Personagem da Semana: Harry Potter (parte 1)

Personagem da Semana -  Harry Potter (parte 1)

Essa semana o Garotas Geeks vai dedicar vários posts ao bruxinho mais querido do mundo, e o Personagem da Semana não podia ficar de fora.

Imagino que, como eu, vários cresceram com o Harry Potter. E eu digo isso literalmente. Lembro que o primeiro livro lançou no Brasil quando eu tinha exatamente 11 anos, a mesma idade de Harry. E quando eu comprei, quase ninguém conhecia ainda a obra de J. K. Rowling, uma amiga minha que leu e me indicou (eu sempre fiz parte do núcleo nerd da escola).

Foi amor a primeira lida. E parece que com o mundo todo foi assim. Porque logo que eu terminei de ler, Harry Potter começou a bombar entre os mais vendidos do país e do mundo. Todos amavam Harry Potter. E com certeza fez com que muitas crianças (e alguns adultos também) passassem a ter prazer na leitura.

Imagino que como eu, quase todos que estão vendo esse post hoje também já devem ter lido os livros ou, pelo menos, visto os filmes. Então vou fazer um enfoque um pouco diferente do que o normal. Vou deixar a história em si um pouco de lado e tentar desvendar ao máximo o “por trás das páginas” (porque todos já devem estar cansados de saber que ele é um menino órfão com uma cicatriz misteriosa na testa, que foi criado pelos tios nazistas, era obrigado a dormir no armário embaixo da escada, até que um dia um homem gigante foi procurá-lo, etc etc etc).

E como vocês puderam notar no título, eu separei este personagem em duas partes. Já que o conteúdo de Harry Potter é muito extenso, achei que seria melhor assim.

O nascimento de Harry Potter

Em 1990, J.K. Rowling estava em um trem indo de Manchester para Londres, quando, segundo ela, a ideia de Harry Potter simplesmente brotou em sua cabeça.

No seu site, Rowling conta como foi:

“I had been writing almost continuously since the age of six but I had never been so excited about an idea before. […] I simply sat and thought, for four (delayed train) hours, and all the details bubbled up in my brain, and this scrawny, black-haired, bespectacled boy who did not know he was a wizard became more and more real to me.”

Traduzindo:
“Tenho escrito continuamente desde os seis anos de idade mas nunca estive tão excitada com uma idéia antes. [...] Eu simplesmente sentei e pensei, por quatro horas (trem atrasado), e todos os detalhes borbulharam em meu cérebro, e este garoto de óculos e cabelos pretos que não sabia que era um bruxo tornou-se mais e mais real para mim.”

E naquela mesmo noite, ela começou a escrever Harry Potter e a Pedra Filosofal e um plano que incluía os enredos de cada um dos 7 livros, além de informações biográficas e históricas de cada um de seus personagens e de todo o universo HP.
Em 1996, J. K. Rowling terminou seu primeiro livro, porém 8 editoras recusaram seu manuscrito. Até que Bloomsbury ofereceu 3.000 libras adiantadas, e Harry Potter e a Pedra Filosofal foi publicado em 1997.

Curiosidade: Antes do livro ser lançado, a editora pediu para Rowling adotar um pseudônimo mais neutro, pois eles temiam que os meninos não se interessassem em ler um livro escrito por uma mulher. É, o mundo ainda é bem difícil para nós, mas enfim…

O que você não sabe sobre os livros

Veja algumas pequenas curiosidades e alguns erros/contradições de cada um dos livros de Harry Potter:

Harry Potter e a Pedra Filosofal

• Enquanto Harry está sendo escolhido para qual casa vai, antes dele era “Perks, Sally-Anne”. Porém, em Harry Potter e a Ordem de Fênix, antes dele era “Patil”. Mesmo ela sendo do mesmo ano que ele, ela não foi mencionada em nenhum outro livro.
• Ainda quando as crianças estão sendo “sorteadas” para cada casa, Harry olha para o lado e vê apenas mais três crianças. Mas a profa. McGonagall chama mais quatro crianças. Esse foi um erro editorial da versão inglesa para a versão estadunidense.
• Neste livro, Draco Malfoy era chamado de “Drago” na versão brasileira. Depois do segundo livro isso foi alterado.
• Na lista de materiais para Hogwarts, o item “1 varinha” é listado duas vezes. É o primeiro e último da lista. Nas outras edições isso foi corrigido.
• Enquanto luta no xadrez gigante, Rony diz que vai mover um passo adiante para a rainha levá-lo. O menino estava jogando com o cavalo, então esse movimento seria impossível. Isso foi corrigido nas outras edições.
• A bordo do Expresso de Hogwarts, Rony tenta usar um feitiço que um de seus irmãos gêmeos lhe ensinou em seu rato Perebas. Em inglês a frase é: “Sunshine, daisies, butter mellow. Turn this stupid, fat rat yellow.” No entanto, tendo nascido em uma família formada inteiramente por bruxos, ele deveria saber que não existem feitiços tão longos, e muito raramente são em inglês.
• Quando os Dursley deixam Harry pela primeira vez na plataforma 9 ½, eles saem dando risada achando que Harry não conseguiria partir, por não haver nada ali. Porém, no último livro, vendo as lembranças de Snape, ele vê a tia Petúnia na plataforma. Ela sabia que a plataforma existia porque deixou sua irmã ali.

Harry Potter e a Câmara Secreta

• Hermione diz que a Murta Que Geme assombra o banheiro do primeiro andar. Mas quando Harry vê a placa ao lado do banheiro, ele está no segundo andar (essa confusão pode ter sido feita pelo jeito inglês de numerar andares).
• Quando Harry vê Draco com seu pai na Borgin e Burke’s, um amaldiçoado colar de opala é descrito. Esse é o colar usado em Harry Potter e o Enigma do Príncipe.
• Sendo que Nick-Quase-Sem-Cabeça é um fantasma, ele não poderia ser petrificado já que não pode beber poções.
• Em cada uma das versões o nome de Tom Marvolo Riddle é alterado para que o anagrama possa se tornar o equivalente a versão em inglês “I am Lord Voldemort” (Eu sou Lord Voldemort).

Harry Potter e o Prisioneiro de Askaban

• Apenas este livro e o Enigma do Príncipe é que a arte da capa dos EUA e do Reino Unido mostram a mesma cena e os mesmos personagens.
• O Prisioneiro de Askaban é o único livro que não possui um capítulo com o mesmo nome do título, além da Pedra Filosofal.
• Apesar de ser um livro particularmente sombrio, é o único em que nenhum personagem morre durante a história.
• Também é o único livro em que Voldemort não é visto, apenas mencionado.
• Uma das maiores morais do livro é que nenhuma habilidade que alguém possa ter torna quem ele é, mais sim suas escolhas. Porém, o clímax do livro cria um possível paradoxo de predestinação, o que, essencialmente, nega a doutrina do livre-arbítrio.
• Esse é o único livro em que o antagonista principal não é influenciado direta ou indiretamente por Voldemort.

Harry Potter e o Cálice de Fogo

• Esse é o único livro em que o nome de uma pessoa real é mencionado: Natalie McDonald, que era uma criança doente em estado terminal. Um amigo de Rowling pediu para fazer este favor a Natalie. Com exceção das pessoas do passado, como Nicolas Flamel, este é o único Harry Potter que honra desta forma um indivíduo.
• Dumbledore diz ter um brilho de triunfo por Voldemort usar o sangue de Harry para restaurar o seu corpo. Na época, Rowling afirmou que isso seria muito significativo. E realmente foi, como se pode descobrir em Harry Potter e as Relíquias da morte. Já que, enquanto Voldemort estivesse vivo, Harry não poderia morrer.

Harry Potter e a Ordem da Fênix

• Antes de sair, um dos rumores dizia que o título deste livro seria “A Montanha da Fantasia”.
• O número de telefone do Ministério da Magia é 62442, o que soletra “magic” nas teclas de um telefone.
• Durante um encontro no Cabeça de Javali, Dennis Creevey aparece. Porém, no quinto ano de Harry, Dennis está apenas no segundo ano, sendo assim, ele não poderia ter autorização para ir a Hogsmeade.
• Umbridge diz na primeira detenção de Harry que é para o garoto estar na sala dela as 5 em ponto. Mas depois o livro diz que Harry janta antes de ir para a detenção, fazendo com que o jantar em Hogwarts saia pelo menos as 4 horas, o que é pouco provável.

Harry Potter e o Enigma do Príncipe

• O nono capítulo diz que “Draco tinha um olhar em seu rosto parecido com o que teve quando Hermione o socou”. Mas no Prisioneiro de Azkaban diz que a menina apenas deu um tapa nele. Já no filme, ela dá um soco mesmo.]

 

 

Harry Potter e as Relíquias da Morte

• Esse livro é conhecido por suas profanações. Dumbledore chama as 3 crianças que atacaram sua irmã de “bastards” (bastardos). Hermione chama Rony de “arse” (burro). Molly Weasley chama Bellatrix de “Bitch” (bitch).

OBS: provavelmente a quantidade de erros foi diminuindo com o passar dos anos pela quantidade de revisores que eles foram contratando.

Veja também:

Personagem da Semana: Harry Potter (parte 2 – Curiosidades dos Filmes)
Personagem da Semana: Harry Potter (parte 3 – Tudo que você ainda não sabia)

Quem escreve? Marina

Jornalista, escritora e invocadora nas horas vagas.