16 fatos muito fodas que você (provavelmente) não sabia sobre AVATAR

Avatar-the-Last-Airbender-capa

MUUUUITAA curiosidade!

Desde o seu lançamento em 2005 na Nickelodeon, Avatar: O Último Mestre do Ar formou uma massiva fanbase graças a peculiaridades de sua narrativa e animação. Desde as sequências de luta combinando artes marciais reais e poderes sobrenaturais até a história focada em política e no preço de uma guerra, a série possui um olhar bastante maduro do mundo fantasioso, quebrando paradigmas do gênero. Além disso, a série não apenas possui momentos emocionantes, mas uma tonelada de piadas, o que atraiu fãs de todas as idades.

Em seus 61 episódios, a série contou a história de Aang e seus amigos, que lutavam para libertar o mundo da sombra da opressão e de uma guerra injusta. Foram três “livros” (partes da série principal), uma série spinoff, uma montanha de jogos e graphic novels (e sim, uma porcaria de um filme live action), contando a lenda do Avatar e sua capacidade de manipular os quatro elementos. A história também inspirou uma sequência e ganhou diversos prêmios, sendo aclamada pela crítica. Mas, além de tudo isso, Avatar possui muitas histórias de bastidores, anedotas divertidas e curiosidades que nem todos os fãs conhecem.

1 – Toph seria originalmente um homem bombado e com a visão perfeita

1

Uma das mais amadas personagens da série Avatar é a dobradora de terra cega, Toph. Sua pequena estatura e fragilidade aparente são elementos que levam seus adversários a subestimá-la – o que torna suas vitórias mais saborosas – mas essa não era o conceito original da personagem.

Quando Toph foi criada para ser a principal dobradora de terra da série, os autores a imaginavam como um homem. E o conceito transitou entre um garoto adolescente e um adulto bombado. Essas ideias acabaram dando origem a outros personagens, posteriormente, mas a ideia de fazê-la como uma pequena garota cega surgiu como um mero devaneio.

O escritor da série, Aaron Ehasz imaginou que essa ideia de Toph, confrontada com os enormes lutadores que ela enfrentava, poderia ser altamente divertida. Já o co-criador da série, Bryan Konietzko rejeitou a ideia, apesar de não tê-la descartado completamente. No final das contas, não só foi esse conceito o adotado para a série, como Konietzko declarou posteriormente que Toph seria uma de suas personagens preferidas.

2 – As identidades dos dobradores na abertura

2

Os fãs de Avatar conhecem muito bem a abertura original da série, que não apenas introduz os quatro elementos como também alguns dobradores em particular. No início da série, esses dobradores parecem ser apenas guerreiros aleatórios, sem qualquer conexão com a história. Mas quando a série progride, é possível entender quem é cada um deles.

O dobrador de água é o Mestre Pakku, da tribo da água do norte, enquanto o dobrador de terra é o professor Sud. Durante a série, descobrimos que Sud foi o professor de Roku na dobradura de terra, mas o que poucos sabem é que seu design utilizou um daqueles conceitos descartados para Toph. Azula, por sua vez, faz sua primeira aparição como uma garotinha no episódio 12, antes de assumir sua posição de destaque na história durante o Livro 2. Nessa hora é fácil reconhecê-la como a dobradora de fogo da abertura. 

Nesse grupo, o dobrador de ar continua sendo aquele que gera mais dúvidas. Muitos afirmam se tratar de uma versão mais velha de Aang (ou uma arte antiga), apesar das várias diferenças apontadas entre ele e a versão adulta apresentada na série. Os outros fãs se dividem entre aqueles que afirmam se tratar do Monge Gyatsu e aqueles que acreditam se tratar apenas de um personagem genérico.

3- Katara e Zuko deveriam terminar a série juntos

3

Na maioria dos shows de televisão, os “shippers” saem coletando migalhas que possam apontar a existência de algum relacionamento entre personagens que imaginam juntos. Isso definitivamente não acontece em Avatar. Os fãs que esperavam ver Katara e Zuko juntos tiveram muitas evidências de que isso aconteceria. Na verdade, tanto aqueles que viam Katara com Aang quanto com Zuko puderam encontrar várias evidências. Alguns dos criadores da série, porém, realmente planejavam que Katara e Zuko ficassem juntos no final.

Devido à diferença de idade entre Aang e Katara, e o fato de Zuko e Katara terminarem juntos parecer mais óbvio, o plano a longo prazo era realmente de colocar os dobradores de água e de fogo em um relacionamento. Mesmo os dubladores originais da série chegaram a declarar publicamente que acreditavam haver sentimentos entre os personagens e que seu amor simplesmente não foi satisfeito.

E o mais engraçado é que mesmo antes de Zuko, Aang não era o favorito para ficar com Katara, uma vez que a versão masculina de Toph é que havia sido concebida com esse fim.

4 – Os dubladores originais de Zuko e Katara trabalharam juntos em outro desenho de artes marciais

4

Para muitos, Dante Basco e Mae Whitman são mais conhecidos por trabalharem em Capitão Gancho e Scott Pilgrim contra o Mundo, respectivamente. Suas vozes, porém, foram parte de diversas animações na década passada e entre 2005 e 2007 (no auge de Avatar) Basco e Whitman estrelaram outra série de artes marciais.

Lançado na Disney Channel em 2005, “Jake Long – O dragão ocidental” contava a história de um garoto americano que podia se transformar em um dragão (Dante Basco) e que deveria enfrentar um clã de matadores de dragões, incluindo Rose (Mae Whitman), por quem tinha uma quedinha.

Rose e Jake tinham de lidar com a batalha e o relacionamento, em uma história como Romeu e Julieta, mas com menos suicídios e mais dragões. A história que buscava competir com Avatar durou apenas duas temporadas e não chegou a ser aclamada pela mídia, mas para quem gostou da dublagem original, talvez seja algo divertido de assistir nas horas vagas.

5 – A história continuou em quadrinhos!

5

Enquanto a Lenda de Korra tocou de leve na história adulta do Time Avatar 1.0, explorando o mundo que eles ajudaram a criar, o foco real da história foi o novo Time Avatar. Para os fãs que esperavam ter mais tempo com o grupo de Aang, a história teve sua continuação em algumas revistas e graphic novels.

Em 2011, uma série de histórias paralelas foi publicada pela Nickelodeon Magazine, formando a coleção “As Aventuras Perdidas”. No ano seguinte, os criadores da série Bryan Konietzko e Michael Dante DiMartino começaram a trabalhar em novas histórias envolvendo os personagens. Em um trabalho conjunto com Gene Luen Yang, foram lançadas cinco graphic novels entre 2012 e 2017. Com ilustrações da Gurihiru, editora conhecida pela obra “The Unbeliavable Gwenpool”, a nova série de histórias começou com “A Promessa”.

Seguindo diretamente a conclusão da série de televisão, A Promessa mostra Aang tentando cumprir seus deveres como o Avatar enquanto Zuko tenta governar uma dividida Nação do Fogo. Ao final, a série ajuda a entender bem o que acontece com o mundo de Avatar e prepara o leitor para a experiência com Korra

6 – O destino da mãe do Zuko foi revelado nos quadrinhos

6

Um dos maiores mistérios não resolvidos da série Avatar é aquele que envolve o destino de Ursa, mãe de Zuko. Originalmente, toda uma história foi planejada para a animação, mas acabou sendo abandonada pelos criadores. Uma adaptação dessa história para um filme chegou a ser cogitada, mas no final quem acabou contando a história de Ursa foram os quadrinhos.

Nas obras “A Promessa”, “A Busca” e “Fumaça e Sombras”, são revelados o passado e o primeiro amor de Ursa. Eventualmente, ela acaba indo para a Nação do Fogo e se casando com Ozai, dando a luz a Zuko e Azula. Com relação a sua partida, é revelado que ela preparou o veneno misterioso para matar seu sogro para que seu marido pudesse ascender ao trono. A partir daí, ela viaja para casa e recebe um novo rosto e uma nova vida de uma criatura mística. Eventualmente, acaba tendo um novo filho, um reencontro com Azula e até mesmo um confronto com Ozai durante seu aprisionamento.

7 – A série gerou uma quantidade enorme de jogos de videogame

7

Considerando o tamanho do sucesso da série de animação, não é de surpreender que ela tenha se expandido para outras formas de mídia. Além dos quadrinhos e do maldito live action, o show foi frequentemente transportado para o universo dos videogames. Somente em sua plataforma online, a Nickelodeon criou dúzias de diferentes jogos envolvendo os personagens do show e de sua sequência. Para os consoles, por sua vez, meia dúzia de jogos também foram lançados.

O primeiro deles, nomeado a partir da série, apresentou três personagens principais e o não tão conhecido Haru viajando pelo mundo para combater máquinas do mal. A partir dele, os jogos seguintes buscaram trazer vários elementos da série, desde a invasão da Nação do Fogo até a descoberta de Toph, professora de Aang na dobra de terra. É possível encontrar também jogos de puzzle, baseball ou mesmo aqueles que foquem em uma versão chibi da animação, provando que não há limites para o conteúdo criado a partir da franquia.

8 – A série usou um coreógrafo de lutas de verdade

8

Um dos pontos mais fortes de Avatar é a verossimilhança com a realidade. Desde a atenção com detalhes gráficos e com a trilha sonora, tudo que envolve a série acaba ajudando a te transportar para dentro daquele mundo. Deixando de lado o amor e o humor da série, ainda há muita ação para ser apreciada, e diferente da maioria das animações, Avatar se destaca nas cenas de luta graças a contratação de um consultor em artes marciais para criação das cenas. Sifu (mestre) Kisu, da Associação Atlética Chinesa do Punho Harmônico, trabalhou ao lado dos criadores, não apenas na criação das cenas de luta mas também dos estilos de dobradura utilizados pelos personagens.

Traçadas de acordo com artes marciais chinesas, cada forma de dobradura teve como base um estilo real de combate corporal. O Tai Chi talvez seja o mais perceptível, tendo sido usado para a dobradura de água. Além dele, Baguazhang foi utilizado para a dobradura de ar e o estilo Shaolin do Norte deu origem à dobradura de fogo. Já a dobradura de terra, teve como principal base o estilo Hung Gar, com exceção de Toph, cujo estilo único teve como base uma versão sulista do Louvadeus Chu Gar.

Mais curiosidades como: por que todos os livros começarem com a mesma cena/Qual dobradura não foi ensinada por animaisa/Ator que faz Luke em Star Wars é o dublador de um dos personagens da série, E MAIS

NA PRÓXIMA PÁGINA!

Quem escreve? Liao

Débora é musicista, pesquisadora e otaku (não fedida, prometo). 1/3 gamer, 100% sonserina. A alcunha de Liao veio de um site aleatório de geração de nomes japoneses (Liao é chinês, mas tudo bem).